A Fé Que Não Salva

A Fé Que Não Salva - Por Markus DaSilva

Por Markus DaSilva, Th.D.

Todo o ser humano possui algum tipo de fé quanto àquilo que o aguarda depois da morte. Ainda que seja o nada, obrigatoriamente ele precisará da fé para que a ideia se forme e se concretize na mente. Quando o homem diz: “Não creio em Deus, não tenho religião”! O que ele está dizendo na realidade é que ele preferiu alimentar a fé na não existência de Deus, mas continua sendo fé. No íntimo ele sabe que existe um poder superior (Ro 1:21); o seu espírito o incomoda continuamente com o fato de que alguma coisa de suma importância lhe falta. Ele sente no coração que é alguém incompleto. Então ele toma a decisão de fortalecer a crença de que esse ser superior, Deus, não existe, em uma vã tentativa de eliminar o vazio na alma; como um animal de estimação que se esconde debaixo da cama para que os raios e trovões desapareçam. Até o fim da sua vida ele será uma pessoa infeliz. Obviamente será ainda mais infeliz quando abrir os seus olhos na ressureição da condenação (João 5:29).

“Lembremos que Satanás e seus anjos não têm a menor dúvida que Deus existe, mas isso não lhes trará benefício algum no juízo final.”

Outros reconhecem que Deus existe. Esse reconhecer, porém, não lhes colocam em qualquer vantagem em relação aos que rejeitam a Deus porque é apenas um reconhecimento de um fato, sem o desejo de se relacionar com esse Deus; as evidências para eles são irrefutáveis, daí a aceitação. Esses têm fé de que simplesmente por aceitarem a existência de Deus eles receberão algum tipo de tratamento especial após a morte (Pv 24:12). Lembremos que Satanás e seus anjos não têm a menor dúvida que Deus existe, mas isso não lhes trará benefício algum no juízo final (Tg 2:19).

Ainda outros vão mais além. Eles sabem que simplesmente dizer que Deus existe não basta, então procuram mais informação sobre esse Deus para que possam interagir com Ele. Porém, quando descobrem que Deus exige uma entrega total (Mt 10:37-39), essas pessoas, não querendo abandonar o mundo que tanto amam, desenvolvem a sua própria versão do evangelho. Imaginam que, desde que façam parte de uma igreja, e que evitem praticar os pecados mais sérios, é razoável ter fé que Deus entenderá e lhes receberá de braços abertos quando morrerem. “Afinal”, dizem eles, “Deus é amor e ninguém é santo”!

Todas estas pessoas mencionadas sabem que Deus existe, todas possuem algum tipo de fé e, a menos que se arrependam e se convertam, todas seguem para o mesmo destino: o fogo eterno. Isso porque a salvação oferecida por Jesus não é nem por grau, nem em parte. Ninguém será mais salvo, menos salvo, ou parcialmente salvo; aqui é sim ou não, ensinar além disso é de procedência maligna; uma armadilha na qual não cairei. Queridos, não se iludam com a noção de que o Senhor é um Deus flexível; que seus mandamentos podem ser adaptados segundo a nossa cultura e preferências (1Jo 5:3). A ideia de que Deus apenas quer que façamos o nosso melhor é uma ideia satânica e sem qualquer respaldo da Palavra. Quando Deus diz: “sede santos, porque Eu Sou santo!” Ele quis dizer exatamente isso: ou vocês se separam do mundo para Ele ou se separam dEle para o mundo, os dois vocês não terão (1Jo 2:15). Espero te ver no céu. —Markus DaSilva