A Paciência De Deus Com O Pecador

A PACIÊNCIA DE DEUS COM O PECADOR Por Markus DaSilva, Th.D.

Por Markus DaSilva, Th.D.

Servimos a um Deus maravilhoso: “Misericordioso e piedoso é o Senhor; paciente e grande em bondade” (Sl 103:8). Se Deus não fosse paciente e bondoso, quem sobreviveria? Se Deus não se inclinasse para nos ver, se não considerasse quem somos, se não conhecesse o material do qual ele mesmo nos fez, quem ainda estaria de pé? Sim, o Deus eterno é muito paciente, mas embora o Senhor seja eterno, a sua paciência tem um fim. Essa verdade pode ser facilmente confirmada na história do seu povo: Jezabel e Acabe, Acaz, Manassés, Ananias e Safira… e muitos outros que abusaram da paciência de Deus até que um dia ouviram um “basta”!

“Alguns de vocês seguem no erro porque “todos estão fazendo”; como se todos tivessem o mesmo chamado de separação.”

Nós, o povo de Deus, frequentemente abusamos da sua paciência. Abusamos porque nos falta visão, visão do reino. Quando Jesus nos disse que o reino de Deus está em nós, uma das implicações é que podemos e devemos cada vez mais atuar no presente, mas viver no futuro (Lc 17:21). Porque muitos cristãos não vivem como se estivessem no céu, face a face com o Pai, ouvindo a sua voz, eles agem como se Deus fosse algo teórico, distante, daí a facilidade de pecar repetidamente sem esperar uma repreensão. Quanto mais real for o Senhor, mais preocupação teremos em não ofendê-lo, mais honraremos o seu santo Nome. Faremos de tudo para não desagradá-lo no agir, no falar e no pensar; e quando o fazemos somos imediatamente convencidos da necessidade de arrependimento e perdão (Sl 51:3).

Queridos, hoje estou escrevendo daqui do trabalho da minha esposa, em Miami, e estava conversando agora mesmo com ela sobre a situação em que muitos se encontram nas igrejas. Os irmãos não estão crescendo em intimidade com o Pai porque se tornaram calejados por pecados acariciados, exatamente como o nosso irmão Paulo nos alertou: “não permitam que o pecado continue dominando os seus corpos mortais, fazendo que vocês obedeçam aos seus desejos” (Ro 6:12). Alguns de vocês seguem no erro porque “todos estão fazendo”; como se todos tivessem o mesmo chamado de separação. Não lhes é óbvio que o Senhor chama vários, mas apenas alguns para a intimidade? Por acaso todos viveram isolados e se vestiram de pele, ou apenas João Batista? Por acaso todos subiram ao monte com Cristo, ou apenas Pedro, Tiago e João? No entanto Jesus amou a todos. Saibam que intimidade requer sacrifício, pois “a qualquer que muito for dado, muito se lhe pedirá” (Lc 12:48). Mas os sacrifícios que fazemos são infinitamente pequenos comparados com a glória que é se tornar íntimo com o Pai. Glória presente, mas uma glória muito superior em breve, quando o veremos face a face. Não sigam os outros, sigam somente o Espírito do Senhor que habita no seu coração, se é que de fato o Espírito de Deus habita em vocês (Ro 8:9).

Irmãos, não sigam pecando e testando a paciência do Senhor, pois como já lhes disse acima, nosso Deus pode ser tardio, segundo o nosso entendimento, mas a sua justiça é certa (Sl 145:20; 2Tm 2:19). Não será de melhor proveito abandonarem de uma vez por todas tudo aquilo que tem servido de obstáculo para a sua intimidade com o Senhor? Não ganharão muito mais se afastando de tudo aquilo que já há tempo o Espírito Santo tem lhes incomodado? “Arrependei, pois, e convertei, para que sejam apagados os seus pecados, de sorte que venham os tempos de refrigério, da presença do Senhor” (At 3:19). Espero te ver no céu.