A Verdade Absoluta (Parte 2)

A Verdade Absoluta (Parte 2) - Por Markus DaSilva

Por Markus DaSilva, Th.D.

Na primeira parte deste texto, comentamos da extraordinária revelação de Jesus, quando disse: “Eu sou a verdade!” (Jo 14:6). Não uma das verdades, ou a melhor das verdades, mas a única; a verdade que se tornou homem; perfeita, invariável, suprema; a verdade absoluta.

Se um simples humano falasse coisa semelhante, pensaríamos se tratar, ou de um poeta, com suas figuras de linguagem, ou de alguém sem conexão com a realidade. Mas nós sabemos que Jesus não é um simples humano e muito menos alguém com um desvio mental. Sabemos que Ele é de fato a segunda pessoa da trindade; um com Deus.

“A mensagem que salva é espada e batalha; sacrifícios e privações; renúncias e abandonos; lágrimas e cruz.”

Saber que estamos aqui lidando com as verdades absolutas de Deus muda, ou deveria mudar, a nossa atitude quanto a tudo aquilo que saiu da sua boca. Lembre-se que quando o Senhor fala, sendo Ele Criador (Jo 1:3-4), suas palavras por obrigação tornam-se fatos: “Trevas, haja luz!”; “Água, torne-se vinho!”; “Mar, acalme-se!”; “Figueira, seque!”; “Cego, veja!”; “Morto, viva!” Algo difícil para seres finitos compreenderem, certo, mas é de suma importância que aceitemos as palavras de Jesus como verdades incontestáveis, pois só assim obedeceremos e seremos salvos.

Quando a Verdade Absoluta, Jesus, nos disse que para segui-lo temos que colocá-lo acima de tudo aquilo que amamos, até mesmo da nossa própria família (Mt 10:37); quando disse que só teremos a vida eterna se perdermos a vida presente (Lc 17:33); devemos entender isso como um fato incontestável, sem a menor possibilidade de variação. Isso, queridos, significa que nada além da completa devoção a Cristo satisfará o requerimento para ser seu discípulo: nem dízimos, nem ofertas; nem mãos levantadas, nem vozes; nem franzir de testa, nem prece; nem instrumentos, nem dança; nem joelho, nem choro; nada disso será de qualquer serventia se desconsiderarmos as suas verdades. Por que? Porque quando rejeitamos a verdade estamos rejeitando o próprio Jesus, uma vez que Ele e a verdade são um. Ou morremos para esse mundo e subimos com Ele, ou aqui ficaremos (1Jo 2:15).

Mas alguém dirá: “Isso é radicalismo!” Correto; “Isso é extremismo!” Também correto. “ Isso é loucura!” Mais do que correto (1Co 1:18). O verdadeiro evangelho, amados, aquele que lhes levará ao céu, é tudo isso e muito mais. Se o seu cristianismo consiste apenas de amor, tolerância e emoções, vocês estão colocando suas esperanças em um deus imaginário, de fabricação humana. A mensagem que salva é espada e batalha; sacrifícios e privações; renúncias e abandonos; lágrimas e cruz.

Estou aqui tentando desanimar alguém? Estou por acaso ensinando algo novo? Estou me distanciando da mensagem apostólica? Vocês sabem muito bem que não. Essa é a mesma palavra lida, ouvida e praticada entre os eleitos de Deus desde o princípio. Infelizmente muitos nesses últimos dias se limitam a ouvir. Queridos, “sejam praticantes da palavra, e não apenas ouvintes, enganando-se a si mesmos” (Tg 1:22). Aja com urgência, pois o nosso tempo está acabando. Triste será o fim dos indecisos. Espero te ver no céu.