Amar A Deus Sobre Todas As Coisas – O Maior Dos Mandamentos (Parte 3)

Amar a Deus Sobre Todas As Coisas - O Maior Dos Mandamentos (Parte 3)

Por Markus DaSilva, Th.D.

Encerrando esta pequena série, procuraremos explicar com mais detalhes o significado de amar a Deus sobre todas as coisas. Em outras palavras, “na vida real”, como vive a pessoa que tem realmente a Deus como o único foco? Como deve viver o indivíduo cuja todas as outras coisas são secundárias? Sim, porque se qualquer outra coisa, como estudo, trabalho, namoro, família e lazer assume a prioridade na vida do cristão, então Deus já não tem primazia sobre todas as coisas. Deus pode até continuar sendo algo muito importante para ele, mas ser importante não é o mesmo que ser o primeiro.

“Já estamos no vale da decisão, já as nuvens se escurecem, já se ouvem os trovões, já não temos muito tempo, já chega o Dia do Senhor.”

Desde o começo do ministério de Jesus, ficou claro que muitos não entendiam o alto nível de compromisso que é requerido de todo aquele que quer seguir a Cristo e então tomavam uma decisão prematura, sem entender o que realmente estava em jogo. E não era por falta de alerta, pois o Senhor era bem específico quanto ao custo do discipulado, nos avisando que não devemos segui-lo a menos que estejamos dispostos a pagar o preço: “Pois qual de vós, querendo edificar uma torre, não se assenta primeiro e faz as contas dos gastos, para ver se tem o suficiente para acabar?” (Lc 14:28). A ideia de um completo abandono do mundo para seguir a Jesus era, e continua sendo, um obstáculo demasiadamente alto a ser superado por um grande número de pessoas, fora e dentro das igrejas. Foi por isso que Jesus avisou: “Ninguém que lança mão do arado e olha para trás é apto para o Reino de Deus” (Lc 9:62).

Quando falamos de abandonar o mundo em obediência ao mandamento de Deus, muitos creem que já estão obedecendo, argumentando que são pessoas boas, são honestas, trabalham, não roubam, não matam e não usam drogas. O Senhor, porém, não nos pede simplesmente para sermos bons, mas sim para sermos dele e dele somente (Is 42:8a). O que esses cristãos estão de fato fazendo é oferecendo não aquilo o que Deus pede, mas sim aquilo o que eles acham que Deus merece. Antes do Cordeiro de Deus ser crucificado, o Senhor requeria ofertas de animais para que a sua ira contra as nossas ofensas fosse removida (Hb 9:22). A pessoa não poderia matar o animal em casa e trazer um quarto, ou a metade, para ser oferecido no altar, mas sim o animal inteiro e ainda vivo. Da mesma forma, nós que fomos salvos pelo sacrifício perfeito de Cristo, temos que nos oferecer a Deus por completo. Paulo nos ensinou isso quando escreveu: “Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis o vosso corpo em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional” (Ro 12:1). Vivo porque ele é feito agora, no nosso dia a dia, enquanto estudamos, trabalhamos e cuidamos da nossa vida; santo porque embora vivamos em um mundo onde o pecado domina, nós fomos separados para Deus; e racional porque é feito a partir de uma decisão consciente e pessoal. Esse sacrifício que é agradável a Deus, porém, não pode ser parcial, mas sim “de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todas as tuas forças” (Dt 6:5). Esse é o maior dos mandamentos.

Queridos, concluindo está série, imploro que vocês não permitam que Satanás os enganem com a ideia de que Deus aceita qualquer coisa inferior àquilo que ele exigiu. Se vocês ainda possuem “amores” na vida que continuamente ocupam os seus pensamentos, então o seu coração está dividido e vocês ainda não o ama sobre todas as coisas. Todos nós precisamos lidar de uma vez por todas com tudo aquilo que nos atrai além de Deus. Foi por isso que cerca de quatro anos atrás, a minha esposa e eu, precisamos abandonar por completo todo o tipo de entretenimento, para que assim Deus se tornasse o nosso contínuo foco. Éramos cristãos, e queríamos servir a Deus, mas a nossa mente ficava ocupada com esportes e noticiários; com filmes, seriados, e televisão em geral; com livros, shows e músicas… enfim, era óbvio que possuíamos um coração dividido e algo precisava ser feito se realmente desejávamos herdar o Reino de Deus (Is 29:13). Tivemos que “arrancar” as nossas mãos e olhos direitos, pois preferimos alcançar a vida eterna faltando alguns membros do corpo do que, inteiros, sermos lançados no inferno (Mt 5:29-30). Irmãos, já estamos no vale da decisão, já as nuvens se escurecem, já se ouvem os trovões, já não temos muito tempo, já chega o Dia do Senhor (Jl 3:14). Espero te ver no céu.