Deus É Fiel

Deus é Fiel

Por Markus DaSilva, Th.D.

Ontem à noite fomos a uma festa de casamento. Conversamos com uma amiga na mesa sobre as despesas e o trabalho que normalmente envolvem essas festas e ela nos disse que quando casou, apesar de que estava longe da sua família no Brasil, o Senhor lhe deu a bênção de ter tido uma linda festa organizada pelos irmãos da igreja. Ela terminou nos afirmando que em todo o desenrolar do evento, ela pôde comprovar mais uma vez na sua vida de cristã que Deus é fiel. Concordei imediatamente com ela que Deus é fiel, e lhe disse que o grande conforto que temos no dia a dia é a certeza da fidelidade divina.

“Deus é fiel na sua totalidade, ou seja, se ele nos prometeu que será o nosso auxílio, a possibilidade de não ocorrer o prometido é inexistente.”

A fidelidade de Deus é um dos seus atributos. Isso significa que Deus é fiel, simplesmente porque ser fiel faz parte daquilo que ele é. Fidelidade, por sua vez, não faz parte daquilo que somos. Todo o ser humano possui uma fidelidade reativa; uma fidelidade condicional às situações, atitudes e emoções. Em outras palavras, normalmente somos fiéis desde que recebamos algum tipo de benefício e desde que haja uma retribuição de fidelidade por parte do receptor (Fp 2:21). Por natureza, o ser humano exige reciprocidade para ser fiel. Em contraste, Deus é fiel independentemente da fidelidade das suas criaturas (2Tm 2:13).

Quando a bíblia nos diz que Deus é fiel, o significado da palavra usada no original não apenas se refere ao fato de Deus nunca trair a confiança de alguém, mas também a de que Ele é a verdade infalível e imutável (Is 46:9-10). Aprendemos assim que mesmo quando no nosso entender a situação não contribui para o nosso bem-estar; ainda que tenhamos a impressão de que não existe uma saída para o nosso caso, um desfecho que nos favoreça; por mais sério que pareça o problema que enfrentamos; se colocarmos a nossa esperança no Deus fiel, aquele que “é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na angústia” (Sl 46:1), podemos ter a certeza de que ele virá nos socorrer porque as suas promessas não são susceptíveis a nenhum tipo de alterações. Deus é fiel na sua totalidade, ou seja, se ele nos prometeu que será o nosso auxílio, a possibilidade de não ocorrer o prometido é inexistente (Ro 4:21).

Um ponto importante que devemos entender, porém, é que a perfeita fidelidade de Deus significa tanto segurança para o servo obediente como desespero para o homem rebelde (2Co 2:16). O que quero dizer com isso? Quero dizer que Deus é fiel primariamente à sua palavra. O motivo que o Senhor fez questão de nos dar a bíblia, que todos nós conhecemos, foi para que soubéssemos o que devemos esperar por parte dele. Ninguém pode argumentar, agora ou no juízo final, que Deus não lhe informou sobre os benefícios de obedecê-lo ou das consequências de ignorar as suas instruções (Mt 7:26). Deus é fiel no cumprimento da sua palavra, sim o Senhor “não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa. Porventura, tendo ele dito, não o fará? Ou, havendo prometido, não o cumprirá?” (Nm 23:19). Em outro lugar, o nosso irmão Tiago afirma que Deus é fiel quando nos diz que no Pai “não há mudança, nem sombra de variação” (Tg 1:17).

Queridos, a certeza de que Deus é fiel é o grande conforto dos filhos obedientes. É por causa da fidelidade de Deus que podemos nos apegar às suas promessas (Sl 18:30). Imaginem se não tivéssemos a garantia de que o Senhor cuidará de nós quando estamos em apuro? O que seria de nós se tivéssemos dúvidas quanto ao nosso amanhã? Não é porque Deus é fiel que sabemos que nada nos faltará? (Sl 23:1). Não é porque Deus é fiel que não tememos os terrores da noite, nem seta que voe de dia, nem peste que anda na escuridão, nem mortandade que assole ao meio-dia? (Sl 91:5-6). Não é porque Deus é fiel que somos salvos do maligno? (2Ts 3:3). E muito mais importante, amados, é somente porque Deus é fiel que temos a certeza em Cristo Jesus que já passamos da morte para a vida (Jo 5:24). Espero te ver no céu.