Não Julgueis!

Não Julgueis! - br.markusdasilva.org

Por Markus DaSilva, Th.D.

Quando Jesus estava fisicamente conosco neste mundo, os seus maiores inimigos não foram os pagãos romanos ou os idólatras gregos; tampouco foram os excluídos da sociedade: prostitutas, ladrões, adúlteros, beberrões e outros. Não, os opositores de Cristo não vieram de fora, mas de dentro; surgiram dentre os seus; dentre aqueles que se intitulavam servos de Deus, os líderes de Israel e seus seguidores. Foram os fariseus, os saduceus, os escribas, os doutores da lei que não o receberam (João 1:11).

“Devemos lembrar que cada um possui uma história. Todos sofrem, todos lutam, todos fraquejam, todos caem, assim como eu, assim como você”

Por que esses líderes tanto odiavam a Jesus? Por vários motivos, incluindo a inveja, o orgulho, mas acima de tudo porque Jesus os desmascarava. Nada se passa dentro do coração humano que Jesus não saiba. Eles enganavam a todos com uma falsa adoração a Deus, com uma falsa santidade, mas não conseguiam enganar àquele que os criou (João 2:24-25). Jesus mostrava quem realmente eram e repetidamente ensinava o povo a não fazer aquilo que esses religiosos faziam: a falta de amor, a falta de perdão, a falta de humildade, e sobretudo a falta da verdade. Esses falsos santos exigiam das pessoas uma santidade que eles mesmos não viviam. Eram hipócritas. Julgavam a todos, quando em secreto eram culpados dos mesmos atos (Ro 2:1). Foi dentro desse contexto que Jesus nos deu o conhecido mandamento: “Não julgueis, para que não sejais julgados” (Mt 7:1).

Cristo nos exorta a sermos luz em um mundo em trevas (Mt 5:14). O objetivo da luz é guiar, clarear, mostrar aquilo que não se pode ver no escuro. Devemos ser exemplos; ser semelhantes a Jesus em tudo: nos nossos hábitos, nosso comportamento, nossas palavras (João 13:15; 1Jo 2:6). E assim como Cristo, devemos instruir em amor, paciência e caridade (Ef 4:15; 1Ts 4:9). Devemos lembrar que cada um possui uma história. Todos sofrem, todos lutam, todos fraquejam, todos caem, assim como eu, assim como você (Ro 3:23). Mas para que possamos ajudar, para que possamos instruir, precisamos primeiramente fazer uma autoanálise; para que possamos ensinar os nossos irmãos sobre uma vida correta, primeiramente teremos que observar a nossa própria: “tire primeiro a viga do seu olho, e então você verá claramente para tirar o cisco do olho do seu irmão” (Mt 7:5).

Hoje, muitos usam o “não julgueis” como desculpa para continuar vivendo em pecado. Não querem abandonar os prazeres do mundo e muito menos serem instruídos (1Co 2:14). Preferem crer no absurdo que quando Jesus disse para não julgarmos Ele quis dizer que tudo deve ser aceito no meio do seu povo.

Queridos, a salvação é de graça, mas só a recebemos com o arrependimento (Lc 13:3; At 2:38). Não o remorso, mas o arrependimento. Remorso é apenas um reconhecimento de culpa; de admitir que algo errado foi praticado. Arrependimento também reconhece a culpa, mas segue de um intenso desejo de não repetir o pecado; de querer uma mudança de comportamento. Quem se arrepende é sábio e aceita com humildade a repreensão (Pv 9:9). A esse, o Senhor nunca desamparou (Sl 51:17). Espero te ver no céu. —Markus DaSilva.