Arquivo da tag: Graça

O Fardo Pesado (desânimo, insegurança, cansaço e depressão).

O Fardo Pesado (desânimo, insegurança, cansaço e depressão). Por Markus DaSilva

Por Markus DaSilva, Th.D.

Uma das verdades mais confortadoras que ouvimos de Jesus foi um convite: “Venham a mim, todos os que estão cansados e sobrecarregados, e eu lhes darei descanso” (Mt 11:28). A condição para recebermos esse descanso que tanto precisamos é simplesmente abandonar o nosso fardo pesado e aceitar o seu fardo leve (Mt 11:30).

Leia mais »

A Verdade Absoluta (Parte 1)

A Verdade Absoluta (Parte 1) Por Markus DaSilva

Por Markus DaSilva, Th.D.

Existe uma verdade absoluta. Por absoluta entendemos a verdade única, suprema, sem variação. O ser humano não possui a verdade absoluta porque está sujeito a parcialidade e influências. Para o homem, o que é verdade hoje pode não ser amanhã (basta observar os políticos para confirmar o que digo). Quando Jesus disse: “Eu sou a verdade!” (João 14:6). Ele disse algo extraordinário; uma afirmação que nenhuma outra pessoa pode fazer: a de ser a própria verdade, a verdade encarnada, a verdade absoluta. Sempre ouvimos alguém insistir que fala a verdade, ou que conhece a verdade, mas nunca um indivíduo disse que é a verdade em si.

Leia mais »

A Santificação e a Graça

A Santificação e a Graça Por Markus DaSilva

Por Markus DaSilva, Th.D.

A graça não substitui a santificação. Parece óbvio, mas tenho visto um grande número de cristãos que, intencionalmente ou não, confundem esses princípios básicos da vida cristã. Basta eu escrever algo sobre a santificação, basta eu exortar os irmãos a abandonarem algum pecado, que logo alguém brada: “Somos salvos pela graça!” Como se a função da graça fosse viabilizar o pecado. A graça não é uma autorização para pecar, mas sim o dispositivo divino pelo qual o nosso caminhar em santidade torna-se possível. Como assim? Eu explico. Se não fosse a cruz de Cristo nenhum ser humano poderia fazer qualquer coisa de valor perante o Pai (Is 64:6). Mas, ao confessar Jesus como o meu salvador, sou comprado, remido, salvo, transformado, e a sua perfeição é contada (sem qualquer merecimento) como minha (Cl 1:28). Assim, minha obediência, meu caminhar santo, sobe ao Pai como um aroma agradável. Isso porque já não sou eu que o faço, mas o Espírito de Jesus que vive em mim (Ro 8:9). Esse caminhar em santidade não é apenas agradável ao Pai, mas também é a condição imposta para Vê-lo (Hb 12:14). Por que? Porque agora que Cristo habita em mim eu estou capacitado para ser uma pessoa santa. Antes não, mas agora sim! Não tenho mais desculpas (1Co 6:11).

Leia mais »