Esperança » Jeremias 29:11 » Os planos de Deus para os seus filhos… um futuro e uma esperança.

Pintura do Profeta Jeremias escrevendo
Esperança » Jeremias 29:11 » Pois eu bem sei os planos que estou projetando para vós, diz o Senhor; planos de paz, e não de mal, para vos dar um futuro e uma esperança.

Livro do Profeta Jeremias, Capítulo 29 – Foco: Versículo 11 – Bíblia Sagrada Almeida

Nome Original: ספר יִרְמְיָהוּ

Estudo Teológico e Comentário Bíblico
Por Markus DaSilva, Th.D.

Jeremias 29:11 Estudo

TEMA PRINCIPAL: Cerca de 600 anos a.C., o profeta Jeremias fica sabendo que alguns falsos profetas na Babilônia enganavam os exilados que lá viviam com a mensagem de que muito em breve eles retornariam a Jerusalém. Jeremias sabia que este rápido retorno não ocorreria, pois o Senhor já lhe havia mostrado que 70 anos passariam (Jeremias 25:11) até que Deus iniciasse o processo da volta do seu povo à terra de onde haviam sido levados à escravidão por Nabucodonosor. Em resposta a este perturbador evento Jeremias escreve cartas aos anciãos, sacerdotes e demais exilados os exortando que se preparem para uma longa estadia em Babilônia.

Profeta Jeremias escreve uma carta aos exilados na Babilônia.

1 Ora, são estas as palavras da carta que Jeremias, o profeta, enviou de Jerusalém, aos que restavam dos anciãos do cativeiro, como também aos sacerdotes, e aos profetas, e a todo o povo, que Nabucodonozor levara cativos de Jerusalém para Babilônia, 2 depois de terem saído de Jerusalém o rei Jeconias, e a rainha-mãe, e os eunucos, e os príncipes de Judá e Jerusalém e os artífices e os ferreiros. 3 Veio por mão de Elasa, filho de Safã, e de Gemarias, filho de Hilquias, os quais Zedequias, rei de Judá, enviou a Babilônia, a Nabucodonozor, rei de Babilônia; eis as palavras da carta:

É difícil determinar ao certo quem eram as duas pessoas que Jeremias pediu que levasse a carta para os exilados.  Sabemos de um Safã (possivelmente pai de Elasa) que era o secretário do rei Josías (2 Reis 22:8). Quanto à Gemarias, ele pode ser o filho do sacerdote Hilquias (2 Reis 22:4) ou ainda o próprio pai de Jeremias (Jeremias 1:1).

4 Assim diz o Senhor dos exércitos, o Deus de Israel, a todos os do cativeiro, que eu fiz levar cativos de Jerusalém para Babilônia:

Notemos que a revelação dada ao profeta não foi a de que o que ocorreu com Israel foi algo inesperado e nem que Nabucodonosor agiu por conta própria, mas sim que foi o próprio Senhor quem estava por trás do ocorrido. De fato, três vezes em Jeremias o Senhor se refere ao rei babilônico não como um inimigo, mas sim como um dos seus servos (Jeremias 25:9; 27:6; 43:10).

Milhões de estudos teológicos enviados totalmente sem custo. Se inscreva neste link: Página de Inscrição.

5 Edificai casas e habitai-as; plantai jardins, e comei o seu fruto. 6 Tomai mulheres e gerai filhos e filhas; também tomai mulheres para vossos filhos, e dai vossas filhas a maridos, para que tenham filhos e filhas; assim multiplicai-vos ali, e não vos diminuais.

Aqui se destaca a preservação da nação de Israel durante o cativeiro como o principal motivo que o Senhor instruiu o seu profeta a se comunicar com o povo, encorajando-os a manterem uma vida normal, ainda que em uma terra estranha: “pois ali aqueles que nos levaram cativos nos pediam canções; e os que nos atormentavam, que os alegrássemos, dizendo: Cantai-nos um dos cânticos de Sião. Mas como entoaremos o cântico do Senhor em terra estrangeira?” (Salmos 137:3-4).  De milhões de pessoas no seu auge, a nação de Israel havia sido reduzida a poucos milhares nos dias do profeta Jeremias (Jeremias 52:28).

7 E procurai a paz da cidade, para a qual fiz que fôsseis levados cativos, e orai por ela ao Senhor: porque na sua paz vós tereis paz. 8 Pois assim diz o Senhor dos exércitos, o Deus de Israel: Não vos enganem os vossos profetas que estão no meio de vós, nem os vossos adivinhadores; nem deis ouvidos aos vossos sonhos, que vós sonhais; 9 porque eles vos profetizam falsamente em meu nome; não os enviei, diz o Senhor.

Nesta passgem vemos um princípio teológico de suma importância. Ao dizer aos cativos que: “na sua paz vós tereis paz”, o Senhor nos ensina que durante os períodos de provações na vida dos seus servos,  devemos entender que o que está ocorrendo não é por acaso e que existe um plano em andamento. Dentro deste plano a nossa atitude deverá ser uma de adaptação, uma de procurar viver da maneira mais positiva possível, principalmente quando o plano de Deus já nos foi revelado, como foi o caso dos judeus durante os 70 anos de cativeiro. O apóstolo Paulo reflete este princípio quando escreveu: “Não digo isto por causa de necessidade, porque já aprendi a contentar-me com as circunstâncias em que me encontre. Sei passar falta, e sei também ter abundância; em toda maneira e em todas as coisas estou experimentado, tanto em ter fartura, como em passar fome; tanto em ter abundância, como em padecer necessidade” (Filipenses 4:11-12).

O Senhor revela a liberdade dos exilados, depois de 70 anos.

10 Porque assim diz o Senhor: Certamente que passados setenta anos em Babilônia, eu vos visitarei, e cumprirei sobre vós a minha boa palavra, tornando a trazer-vos a este lugar. 11 Pois eu bem sei os planos que estou projetando para vós, diz o Senhor; planos de paz, e não de mal, para vos dar um futuro e uma esperança.

Essa passagem do Velho Testamento, — Jeremias 29:11 — é um dos versículos mais conhecidos da Bíblia devido à sua maravilhosa promessa de paz e esperança para o nosso futuro. Devo observar que embora a palavra “prosperar” não se encontra no original, algumas traduções acham que a palavra expressa bem a ideia do verso.  No hebraico se lê literalmente: “plano para bem-estar e não para mal dar para vocês” [Heb. כִּי֩ אָנֹכִ֨י יָדַ֜עְתִּי אֶת־הַמַּחֲשָׁבֹ֗ת אֲשֶׁ֧ר אָנֹכִ֛י חֹשֵׁ֥ב עֲלֵיכֶ֖ם נְאֻם־יְהוָ֑ה מַחְשְׁב֤וֹת שָׁלוֹם֙ וְלֹ֣א לְרָעָ֔ה לָתֵ֥ת לָכֶ֖ם אַחֲרִ֥ית וְתִקְוָֽה׃]. E na septuaginta (Bíblia em grego usada nos dias de Jesus) apenas diz: “Para dar a vocês estas coisas” [Gr. τοῦ δοῦναι ὑμῖν ταῦτα]. Embora, obviamente, temos que considerar o contexto do versículo, que se tratava de uma mensagem de encorajamento para os exilados judeus que continuariam na situação de cativos por mais sete décadas, o espírito da passagem se aplica a todos nós, em qualquer época, enquanto estivermos vivendo aqui neste vale de lágrimas. Todos nós continuamos vivendo em um ambiente hostil, peregrinos, estrangeiros, e aguardando ansiosamente sermos levados à nossa residência permanente (Hebreus 11:13). Em se tratando de aplicar este verso na vida do cristão, a ideia de que Deus possui um bom plano para os fiéis seguidores de Jesus possui o total respaldo das Escrituras como um todo: “Mas buscai primeiro o seu reino [Gr. βασιλειο (vasílio) Reino] e a sua retidão [Gr. δικαιοσυνη (dikiosíne) retidão, justiça], e todas estas coisas vos serão acrescentadas” (Mateus 6:33. Ver também:  Marcos 10:29-30).

Quer que oremos por você? Visite a Página de Oração.

Jeremias 29:13 Estudo

12 Então me invocareis, e ireis e orareis a mim, e eu vos ouvirei. 13 Buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes de todo o vosso coração.

Dois versículos bíblicos bem conhecidos por todos, mas muito em especial Jeremias 29:13. O contexto, obviamente, continua sendo o incentivo que o Senhor deu aos exilados de Israel na Babilônia. Apesar de tudo o que fizeram; das várias vezes que se rebelaram contra o seu Deus; e apesar de todo o sofrimento que ainda teriam que passar em uma terra estranha, o Senhor informa que tempos melhores virão. Aqui também, podemos aplicar essa mensagem de amor divino para todo o cristão. O Senhor não se deixa encontrar quando o procuramos de uma forma superficial, ou apenas de boca para fora, mas apenas quando o procuramos de todo o coração: “Mas de lá buscarás ao Senhor teu Deus, e o acharás, quando o buscares de todo o teu coração e de toda a tua alma” (Deuteronômio 4:29).
Frequentemente as pessoas apenas procuram a Deus quando estão passando por momentos difíceis, mas assim que a situação melhora, Deus é deixado de lado e elas voltam a se interessar pelas coisas que há no mundo (1 João 2:15). Este tipo de relacionamento, não impressiona a Deus, pois estas pessoas possuem uma mente e coração divididos (Tiago 4:8). Deus não se manifestará a elas, ainda que o procurem. Notemos que a expressão: “de todo o coração”, ecoa as palavras do Sh’ma Yisrael [Heb. שְׁמַע יִשְׂרָאֵל] da Torá, entregue a Moisés (Deuteronômio 6:4-7), e mencionado por Jesus na sua resposta ao doutor da lei: “Respondeu-lhe Jesus: Amarás [Gr. αγαπη (agape) amor, caridade] ao Senhor teu Deus de todo o teu coração [Gr. καρδια (kardiá) coração], de toda a tua alma [Gr. ψυχη (psirrí) alma, vida, mente, individualidade], e de todo o teu entendimento” (Mateus 22:37). Quando o servo de Deus se humilha e apresenta ao Senhor um coração contrito (Salmos 51:17), disposto a obedecer tudo aquilo que sair dos Seus lábios, então certamente Deus se deixará encontrar [Ver série sobre oração].

Jeremias 29:14 Estudo

14 E serei achado de vós, diz o Senhor, e farei voltar os vossos cativos, e congregarvos-ei de todas as nações, e de todos os lugares para onde vos lancei, diz o Senhor; e tornarei a trazer-vos ao lugar de onde vos transportei.

Neste verso, Deus revela algo fantástico sobre o seu relacionamento com aqueles que o temem e que o buscam. A frase “e serei achado de vós” [Heb. ו · מצא   ל · אתם  (Lit. por você e Eu me deixarei ser encontrado)], como traduzida pela maioría da versões (ARC, NVT, TAR, NAA, ARA, NTLH, KJV, NKJV, CSB, GNT, DRB, ISV, NLT, ESV, RSV, NRSV) pode também ser traduzida como “Eu me deixarei ser encontrado por vós”, como o fêz a NVIport, NET e NIV. Esta passagem, e muito em especial esta segunda opção de tradução, nos ensina que é o Senhor quem decide a quem ele ouvirá. Muitos entendem erroneamente que Deus ouve a todas as orações, independentemente da pessoa que a faz. Esta ideia errada soa como se Deus estivesse desesperado para conseguir seguidores, algo completamente distante da verdade que é a grandeza do Criador. Deus não precisa de nós, mas nós sim precisamos desesperadamente de Deus: “Quem guiou o Espírito do Senhor, ou, como seu conselheiro o ensinou? Com quem tomou ele conselho, para que lhe desse entendimento, e quem lhe mostrou a vereda do juízo? quem lhe ensinou conhecimento, e lhe mostrou o caminho de entendimento? Eis que as nações são consideradas por ele como a gota dum balde, e como o pó miúdo das balanças; eis que ele levanta as ilhas como a uma coisa pequeníssima” (Isaias 40:13-15).

15 Porque dizeis: O Senhor nos levantou profetas em Babilônia; 16 portanto assim diz o Senhor a respeito do rei que se assenta no trono de Davi, e de todo o povo que habita nesta cidade, vossos irmãos, que não saíram convosco para o cativeiro; 17 assim diz o Senhor dos exércitos: Eis que enviarei entre eles a espada, a fome e a peste e fá-los-ei como a figos péssimos, que não se podem comer, de ruins que são. 18 E persegui-los-ei com a espada, com a fome e com a peste; farei que sejam um espetáculo de terror para todos os reinos da terra, e para serem um motivo de execração, de espanto, de assobio, e de opróbrio entre todas as nações para onde os tiver lançado,

Apesar dos avisos de Jeremias, os judeus que continuavam em Jerusalém, persistiam em se apoiar na falsa notícia de que “O Senhor nos levantou profetas em Babilônia”.

19 porque não deram ouvidos às minhas palavras, diz o Senhor, as quais lhes enviei com insistência pelos meus servos, os profetas; mas vós não escutastes, diz o Senhor. 20 Ouvi, pois, a palavra do Senhor, vós todos os do cativeiro que enviei de Jerusalém para Babilônia. 21 Assim diz o Senhor dos exércitos, o Deus de Israel, acerca de Acabe, filho de Colaías, e de Zedequias, filho de Maaséias, que vos profetizam falsamente em meu nome: Eis que os entregarei na mão de Nabucodonozor, rei de Babilônia, e ele os matará diante dos vossos olhos. 22 E por causa deles será formulada uma maldição por todos os exilados de Judá que estão em Babilônia, dizendo: O Senhor te faça como a Zedequias, e como a Acabe, os quais o rei de Babilônia assou no fogo; 23 porque fizeram insensatez em Israel, cometendo adultério com as mulheres de seus próximos, e anunciando falsamente em meu nome palavras que não lhes mandei. Eu o sei, e sou testemunha disso, diz o Senhor.

Carta com mensagem para Semaías.

24 E a Semaías, o neelamita, falarás, dizendo: 25 Assim diz o Senhor dos exércitos, o Deus de Israel: Porquanto enviaste em teu próprio nome cartas a todo o povo que está em Jerusalém, como também a Sofonias, filho de Maaséias, o sacerdote, e a todos os sacerdotes, dizendo: 26 O Senhor te pôs por sacerdote em lugar de Jeoiada, o sacerdote, para que fosses encarregado da casa do Senhor, sobre todo homem obsesso que profetiza, para o lançares na prisão e no tronco; 27 agora, pois, por que não repreendeste a Jeremias, o anatotita, que vos profetiza? 28 Pois que até nos mandou dizer em Babilônia: O cativeiro muito há de durar; edificai casas, e habitai-as; e plantai jardins, e comei do seu fruto. 29 E lera Sofonias, o sacerdote, esta carta aos ouvidos de Jeremias, o profeta.

O Senhor revela que Semaías é um falso profeta.

30 Então veio a palavra do Senhor a Jeremias, dizendo: 31 Manda a todos os do cativeiro, dizendo: Assim diz o Senhor acerca de Semaías, o neelamita: Porquanto Semaías vos profetizou, quando eu não o enviei, e vos fez confiar numa mentira, 32 portanto assim diz o Senhor: Eis que castigarei a Semaías, o neelamita, e a sua descendência; ele não terá varão que habite entre este povo, nem verá ele o bem que hei de fazer ao meu povo, diz o Senhor, porque pregou rebelião contra o Senhor.
 

© Copyright 2012-2020 US Library of Congress by Markus DaSilva All rights reserved worldwide.  

ATENÇÃO: Gostaria de receber os nossos estudos teológicos avançados semanalmente sem qualquer custo? Registre neste link: REGISTRAR   

Homem presidiário do pecado sexual segurando uma grade   

Lotipos: Semeadores da Palavra - Estudos Bíblicos - markusdasilva.org  

E conhecereis a verdade…