🔊 (Parte 2) Série: Vivendo Pela Fé. Estudo Nº 2: a Fé e a Obediência [Com Áudio]

(Parte 2) Série: Vivendo Pela Fé. Estudo Nº 2: a Fé e a Obediência. por Markus DaSilva

Baixar Áudio Baixar Áudio | Baixar PDF Baixar PDF

Por Markus DaSilva, Th.D.

De Gênesis a Apocalipse, tudo na bíblia tem a ver com a fé. Sim, a Palavra também enfatiza a confiança, a esperança, a humildade e o maior dos dons, o amor, mas nenhum se compara à fé em se tratando de estabelecer uma base, a única base, para o crescimento dos filhos de Deus. Até mesmo o amor, depende da fé para não perder o seu foco. Sabemos muito bem de amor sendo usado abundantemente, de maneiras que no final não traz benefício algum, nem para quem dá, nem para quem recebe.

“Quando Jesus esteve fisicamente conosco, Ele nos demonstrou que viver pela fé é viver em obediência.”

No estudo anterior, falamos da origem do pecado e de como em consequência o ser humano perdeu a habilidade de manter um relacionamento físico, visível, com o Criador. Mesmo entre os grandes nomes do cristianismo, em toda a nossa história foram poucas as vezes que Deus se revelou de forma material entre os seus filhos. O Senhor estabeleceu desde o início que nós, o seu povo, viveríamos “pela fé, e não pelo que vemos” (2Co 5:7). Só mesmo Deus poderia criar algo tão diferente, tão perfeito, para distinguir os seus filhos do resto dos seres humanos.

A pessoa que se diz cristã, mas toma as suas decisões, e vive baseado apenas naquilo que é visível, então o seu cristianismo não passa de uma mera tradição religiosa, sem qualquer valor espiritual. Enquanto ela não passar a agir baseado na fé, ainda que todas as fibras do seu ser discorde das suas ações, ela se manterá atrofiada e não se fortalecerá nas suas batalhas contra o inimigo. E pior, esta pessoa, por mais que tente, não possuirá um viver agradável a Deus, pois, agradar a Deus sem fé é simplesmente impossível.

“Sem fé, é impossível agradar a Deus” (Heb 11:6). Isso significa, amados, que com fé O agradamos. Não existe nenhum sentimento mais elevado em todo o universo do que agradar Àquele que nos fez. Aqui temos um mistério, algo impossível para nós, pelo menos por enquanto, de entender. Quem somos nós, simples pó, para que façamos qualquer coisa que venha a obter um sorriso de prazer, de aprovação, do único e verdadeiro Criador de tudo? Eis aí o mais elevado dos objetivos da fé: agradar ao Pai.

Quando falamos de fé, naturalmente pensamos em bênçãos. Estamos habituados a frases como: “Com fé, passarei no concurso!” Ou: “Pela fé, você será curado!” Ou ainda: “Ele está nesta condição porque tem pouca fé.” Expressões como essas, mesmo quando corretas, acabam desviando o nosso foco de obedecermos ao Senhor, de exercitarmos a nossa fé simplesmente pelo desejo de agradá-lo, nada mais.

O capítulo onze de Hebreus, citado acima, é conhecido aqui nos EUA como “The Hall of Faith” ou “A Galeria da Fé” porque o autor (que muitos estudiosos acham ser o apóstolo Paulo) lista um grande número de personagens do Velho Testamento, que através da obediência, demonstraram que possuíam uma fé muito além de uma fé apenas teórica. Eles agradaram a Deus exatamente por isso. Ou seja, nem um valor existe para Deus quando o cristão estuda sobre a fé, ouve pregações sobre a fé ou canta louvores sobre a fé, a menos que ele dê um passo a mais e demonstre para o Senhor que a sua fé é real através da sua obediência. Abraão não foi aprovado por Deus porque gerou a Isaque, mas sim porque, pela fé, estava disposto a perdê-lo: “agora sei que temes a Deus, visto que não me negaste teu filho, o teu único filho” (Gn 22:12).

Queridos, com a permissão do Senhor, ainda tenho mais a lhes escrever sobre esse tema, mas aqui é um bom momento para uma pausa. Quando Jesus esteve fisicamente conosco, Ele nos demonstrou que viver pela fé é viver em obediência. Como já lhes disse em um outro texto, a fé de Jesus era perfeita porque a sua obediência também era perfeita. Não somos diferentes. Se vocês querem crer mais, confiar mais, descansar mais nos braços do Senhor, então considerem até que ponto vocês têm obedecido ao nosso Pai. Irmãos, já ouviram a suave voz do Espírito Santo lhes dizendo algo? (1Rs 19:12-13). E quando ouviram, se prontificaram a obedecer? (Is 6:8). O Senhor tem o seu relógio eterno; esse nunca adianta, nunca atrasa. Acreditem, existe um tempo determinado para cada um de nós. Não permitam que esse tempo acabe e lhes peguem em falta. Espero te ver no céu.

Nesta Série de Estudos Bíblicos: