🔊 (Parte 1) O Cristão Santo. Estudo Nº 1: Querendo Ser Santo Sem Obediência [Com Áudio]

(Parte 1) O Cristão Santo. Estudo Nº 1:  Querendo Ser Santo Sem Obediência [Com Áudio]

Baixar Áudio Baixar Áudio | Baixar PDF Baixar PDF

Por Markus DaSilva, Th.D.

O título deste estudo, “O Cristão Santo”, é um pouco estranho, confesso. É estranho porque vai contra o entendimento dos dois grupos que constitui o mundo cristão. O primeiro grupo, majoritário, considera um título como este até ofensivo, pois, eles entendem que tal pessoa – um ser humano santo – simplesmente não existe, é um mito. Por outro lado, o outro grupo, do qual fazemos parte, também não concorda com este título porque a frase pressupõe a existência de um cristianismo sem santidade, algo claramente contrário às Escrituras: “Pois assim como oferecíeis os vossos membros como servos da impureza e da iniquidade para iniquidade, assim ofereceis agora os vossos membros como servos da retidão para santificação” (Ro 6:19); “Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor” (Heb 12:14).

“Melhor, e mais honesto, seria que se limitassem a pregar sobre as suas paixões; que falassem das coisas que realmente gostam e entendem: esporte, cinema, videogames, shows, seriados… etc.”

É interessante que o indivíduo que insiste em dizer que ninguém é santo, ele o diz sem se basear em qualquer fato, mas simplesmente o diz por dizer e também porque a frase soa como algo que uma pessoa sábia falaria. Gostaria muito de perguntar a um deste irmãos em Cristo, quantos anos ele passou procurando um caminhar santo, servindo ao Senhor em humildade, se separando do mundo, dando a outra fase, perdoando todas as ofensas contra ele, retornando o mal com o bem… sim, quantos anos ele viveu em obediência às palavras de Jesus, amando ao Senhor de todo o seu coração, de toda a sua alma, de todas as suas forças e de todo o seu entendimento, e ao seu próximo como a si mesmo (Lc 10:27). Quantos anos, para finalmente chegar à conclusão que foi tudo em vão e que não se considera um homem santo e portanto, assim como ele, ninguém é santo.

Meu ponto é, realmente nenhum cristão conseguirá obedecer ao mandamento de Deus de que devemos ser santos assim como Ele é santo (1Pe 1:15-17), se não nos empenharmos em obedecê-lo quanto aos outros mandamentos, pois é quando obedecemos ao Senhor nas coisas menores que aos poucos conseguiremos também obedecê-lo nas maiores. Por exemplo, se um irmão não deseja se ver livre de um entretenimento que ele sabe muito bem que Deus não aprova, então realmente ele jamais será santo. Neste caso, se ele for honesto, não deve dizer que é impossível alguém ser santo, mas sim que ele não tem interesse em seguir o caminho da santidade. Quem sabe Deus terá misericórdia dele, se não pela sua obediência, pelo menos pela sua sinceridade?

Espera-se que todo o seguidor de Cristo seja santo, assim como ele o era. O indivíduo que se deleita nos prazeres do mundo; a pessoa cujo foco é o eu; cujo viver consiste em uma constante busca de emoções passageiras; cuja cruz não é carregada; esse poderá se chamar de qualquer nome, exceto cristão, pois nada disso fez parte do exemplo dado por Jesus ou pelos apóstolos: “Ora, amados, visto que temos tais promessas, purifiquemo-nos de toda a imundícia da carne e do espírito, aperfeiçoando a santidade no temor de Deus” (2Co 7:1 ver também 1Ts 1:6; Heb 4:15; 1Jo 3:5; 1Pd 2:22; Fp 3:17).

Que precisamos de um avivamento urgente, isto não resta dúvida. Ainda que não admitam, basta observar o conteúdo da maioria das pregações atuais para confirmar que a santificação, o morrer para o mundo, é a última coisa na mente dos nossos líderes. O tema é raramente tocado nos cultos, e quando é, o fazem de uma forma tão vaga, tão distante, tão diluída, tão contraditória, tão distorcida, que no final a mensagem causa mais danos do que benefícios à congregação. Melhor, e mais honesto, seria que se limitassem a pregar sobre as suas paixões; que falassem das coisas que realmente gostam e entendem: esporte, cinema, videogames, shows, seriados… etc. No entanto, o que ocorre são ensinos cheios de palavras bonitas e frases de impacto, mas impacto para o nada, pois as pessoas vão embora para casa da mesma forma que chegaram: carentes de uma mudança de vida que leva à intimidade com Deus.

Queridos, o tempo que nos resta é muito curto. A hora do recreio, o momento de brincar de igreja, já acabou. O joio, agora bem crescido, a qualquer momento será amarrado em feixes e lançado ao fogo: “Chegaram, pois, os servos do proprietário, e disseram-lhe: Senhor, não semeaste no teu campo boa semente? Donde, pois, vem o joio? Respondeu-lhes: Algum inimigo é quem fez isso. E os servos lhe disseram: Queres, pois, que vamos arrancá-lo? Ele, porém, disse: Não; para que, ao colher o joio, não arranqueis com ele também o trigo. Deixai crescer ambos juntos até a colheita; e, por ocasião da colheita, direi aos ceifeiros: Ajuntai primeiro o joio, amarrai-o em feixes para o queimar; o trigo, porém, recolhei-o no meu celeiro” (Mt 13:27-30). Não estejam entre eles naquele dia. Sem santidade não veremos ao Pai (Heb 12:14). “Arrependam-se, pois, e voltem-se para Deus, para que os seus pecados sejam cancelados, para que venham tempos de descanso da parte do Senhor” (At 3:19-20). Espero te ver no céu.