🔊 Série: O Sermão da Montanha: Estudo Nº 61: As Nossas Preocupações: A Prioridade do Reino de Deus [Com Áudio e PDF]

Pinheiros, lago e montanhas ao fundo como ilustração para o estudo bíblico: Série: O Sermão da Montanha: Estudo Nº 61: As Nossas Preocupações: A Prioridade do Reino de Deus

Baixar Áudio Baixar Áudio | Baixar PDF Baixar PDF

O Sermão da Montanha – As Nossas Preocupações

Mateus 6:25-32 Estudo Teológico Nº 61

Por Markus DaSilva, Th.D.

Conforme aprendemos no estudo anterior desta série sobre o Sermão da Montanha, a preocupação com o amanhã é algo inadmissível na vida do indivíduo que alega ser um seguidor de Jesus. É bem fácil perceber o tom de desaprovação e tristeza nas palavras de Cristo quando chamou a atenção dos discípulos ao observar que apesar de todos os sinais miraculosos que continuamente presenciavam; apesar de terem certeza que Jesus era de fato o Messias, ainda assim tinham dúvidas se Deus supriria as suas necessidades para o futuro e por isso estavam sempre ansiosos: “Portanto, não vos preocupeis, dizendo: Que comeremos? Ou: Que beberemos? Ou: Com que nos vestiremos? (Pois a todas estas coisas os gentios procuram). Porque vosso Pai celestial sabe que precisais de tudo isso, mas buscai primeiro o Reino de Deus e a sua retidão, e todas estas coisas vos serão acrescentadas” (Mat 6:31-33).

“Não ter o Reino de Deus como o grande foco na vida, implica em menospresar, ou fazer pouco caso, do sacrifício de Jesus que foi feito exatamente para herdarmos o Reino.”

Buscar o Reino Futuro Como Solução Para os Problemas Presentes

Jesus fecha este bloco do Sermão da Montanha com uma frase que tem o valor tanto de solução como também de condição para que tenhamos tudo aquilo que precisamos no nosso dia a dia: “mas buscai [Gr. ζητέω (zitéo) v. procurar, buscar, desejar encontrar] primeiro o reino de Deus [Gr. βασίλειο του Θεού (vasílio tu Theu) exp.idio. Reino de Deus] e a sua retidão [Gr. δικαιοσύνη (dikiosíne) s.f. retidão, justiça]” (Mat 6:33). Primeiramente, vamos explorar a sua frase no sentido de que ter o Reino de Deus como o nosso foco é a solução contra as preocupações com o amanhã, que infelizmente vira e mexe nos perturbam.

O verbo traduzido como buscar [Gr. ζητέω (zitéo)] por praticamente todas as versões da Bíblia (NVI, ARC, NVT, TAR, NAA, ARA, KJV, AMP, NKJV, CSB, NET, DRB, NLT, NIV, ESV, RSV), e como “ponham em primeiro lugar” pela NTLH, “se preocupe” pela GNT e ISV, e finalmente “esforça-se” pela NRSV, está no presente do modo imperativo [Gr. ζητείτε (zitíte)], o que denota uma busca constante, diária, pelo Reino de Deus. Existe então aqui uma espécie de tratamento, ou medicamento, que deverá ser usado regularmente para que a preocupação não tome conta da nossa mente. Ou seja, a busca pelo reino de Deus deverá ser constante porque a tendência de ficarmos ansiosos sobre o amanhã também é constante. É bem verdade que às vezes ficamos um tempo tranquilos quanto ao nosso futuro, mas assim que surgem os problemas comuns da vida, ou até mesmo a suspeita de problemas, imediatamente começamos a maquinar na mente como poderemos nos proteger e assim garantir que não nos faltará nada no amanhã. Este tipo de procura por soluções para problemas, que em muitos casos ainda não existem, é o que nos causa a ansiedade que Jesus afirma ser inadmissível entre aqueles que servem a Deus e não a mamom (Mat 6:24).

Milhões de estudos teológicos enviados totalmente sem custo. Se inscreva neste link: Página de Inscrição.

O Significado de Buscar Primeiro

Existe muita falta de entendimento quanto ao que Jesus quis dizer com “buscai primeiro o Reino de Deus e sua retidão”. É interessante notar que esta falta de entendimento, no entanto, sempre tende para o achar permissão (onde não existe) para satisfazer os desejos do homem e não para os de Deus (João 4:34; 8:29). Primeiramente, Jesus de forma alguma nos disse aqui que se dermos prioridade para as coisas espirituais, então seremos abençoados em todos os nossos empreendimentos pessoais. Devemos considerar que o contexto da promessa de Jesus, neste caso, são os essenciais da vida, exemplificado pelo comer, beber e vestir. Ou seja, não devemos de forma alguma utilizar dessa passagem específica como suporte de Deus para os nossos projetos, ambições ou sonhos. Existem outras referências bíblicas que englobam estas outras áreas, mas estas palavras de Jesus no Sermão da Montanha se referem às coisas básicas que precisamos para seguir vivendo aqui na terra e é por isso que não é complicado o seu entendimento e aplicação: foquemos no Reino de Deus e o Senhor cuidará do nosso bem-estar. Bem simples.

Em segundo lugar, buscar primeiro o Reino de Deus não se refere a uma sequência, ou ordem de afazeres. Muitos erroneamente entendem que desde que não negligenciem as suas obrigações espirituais, Deus permite que curtam os prazeres que este mundo oferece. Eles interpretam o buscar primeiro como quando uma mãe diz ao seu filho que ele só pode brincar com os amiguinhos após terminar o dever de casa. Que fique bem claro que o “buscai primeiro” do Sermão da Montanha não envolve receber a aprovação de Deus para as outras coisas que gostamos nesta vida, mas tão somente em se ter a certeza do cuidado do Pai para o amanhã.

Buscar o Reino Futuro Como Condição Para Resolver os Problemas Presentes

Acima explicamos que buscar primeiro o Reino de Deus é uma solução para que o Senhor cuide de todas as nossas necessidades: “Porque vosso Pai celestial sabe que precisais de tudo isso”, e agora lidaremos com a mesma promessa, mas considerando o seu aspecto condicional. Ou seja, Jesus está nos dizendo que se não temos o Reino de Deus como o foco na nossa vida, então a nossa preocupação com o dia de amanhã tem fundamento. De fato, o cristão que possui o mundo, e as coisas que há no mundo, como o seu principal interesse e não o mundo futuro que Jesus nos prometeu, não possui nenhuma base para esperar que Deus cuidará dele amanhã. Na realidade, esta condição ainda vai muito além do cuidado de Deus para com comida e roupa, pois a pessoa que não tem como alvo o mundo que Deus nos prometeu, e que sacrificou o seu próprio Filho para que assim possamos herdá-lo, esse cristão não possui sequer o amor de Deus, conforme nos disse o apóstolo João: “Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele” (1Jo 2:15). Não ter o Reino de Deus como o grande foco na vida, implica em menosprezar, ou fazer pouco caso, do sacrifício de Jesus que foi feito exatamente para herdarmos o Reino.

Quer que oremos por você? Visite a Página de Oração.

Deus Promete Que Cuidará dos Seus Filhos

A promessa de Jesus de que o Criador cuidará de nós se aplica tão somente aos salvos de Deus. Isso deveria ser óbvio, já que Jesus se refere ao Senhor não como Deus, mas sim como Pai: “Porque vosso Pai [Gr. πατήρ (patír) s.m. Pai] celestial sabe que precisais de tudo isso” (Mat 6:32). Ao aceitarmos a Jesus como o nosso Salvador pessoal e demonstrarmos que verdadeiramente o amamos através da nossa total obediência aos seus mandamentos, então Deus, o Pai de Jesus, também nos amará em retorno e passa a ser também o nosso Pai: “Se alguém me ama [Gr. αγαπάω (agapáo) v. amar], obedecerá [Gr. τηρέω (tiréo) v. guardar, vigiar, manter, preservar] à minha palavra [λόγος (lógos) s.m. palavra, mensagem, verbo]; e meu Pai o amará, e viremos a ele, e faremos nele morada [μονή (moní) s.f. ficar juntos, estabelecer residência]. Quem não me ama, não obedece às minhas palavras; ora, a palavra que estais ouvindo [Gr. ακούω (akúo) v. ouvir, prestar atenção, entender, considerar] não é minha, mas do Pai [Gr. πατήρ (patír) s.m. Pai] que me enviou [Gr. πέμπω (pémpo) v. enviar, despachar]” (João 14:23-24).

Buscando a Retidão de Deus

Além de Jesus nos ensinar que temos que buscar primeiro o Reino de Deus se queremos que o nosso Pai cuide nós, ele também nos disse que devemos procurar a retidão [Gr. δικαιοσύνη (dikiosíne) s.f. retidão, justiça] de Deus. O Reino de Deus e a sua retidão são duas coisas inseparáveis. A mesma retidão que Jesus menciona nesta passagem do Sermão da Montanha é aquela que ele mencionou no início do seu ensino, alguns versículos antes: “Pois eu vos digo que, se a vossa retidão não exceder a dos escribas e fariseus, de modo nenhum entrareis no reino dos céus” (Mat 5:20). Esta é uma outra frase de Jesus que causa grande desconforto para os cristãos amantes deste mundo, uma vez que não existe a menor dúvida que Jesus espera que haja, não apenas retidão, mas um alto nível de retidão, naqueles que querem se salvar e serem recebidos no Reino dos Céus.

Gostaria de jejuar conosco?
Visite a Página de Jejum.
Próximo jejum: sexta, 2 de outubro de 2020

Jesus Nos Diz Que Nós Mesmos Devemos Ser Retos

Devo aqui esclarecer que o original grego não deixa nenhum espaço para aqueles que argumentam que basta a retidão de Jesus para agradar a Deus, e de que Deus não espera, e de fato até rejeita (pasmem), qualquer retidão que venha dos seus filhos. Neste verso, Cristo especificamente nos instrui a buscar pela mesma retidão que existe no Pai, e não que devemos nos apegar à retidão de Jesus: [Gr. Ζητείτε δε πρώτον την βασιλείαν του Θεού και την δικαιοσύνην αυτού (zitite de próton tin vasilía tu Theu ke tin dikiosíne aftu)]. O ato de buscar, ou procurar, quando este verbo [Gr. ζητέω (zitéo)] é usado se refere a um ato pessoal e envolve tomar decisões na vida que terá como resultado conseguir aquilo que se procura. Jesus utilizou deste mesmo verbo quando nos falou sobre o seu constante desejo de fazer a vontade do seu Pai: “…porque não procuro [Gr. ζητέω (zitéo)] a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou” (João 5:30).

Várias Passagens na Bíblia Confirmam Que Temos Que Andar em Retidão

A verdade de que Deus Pai e Jesus espera que nós, os seus filhos, andemos em retidão não deve de forma alguma surpreender a ninguém, pois as Escrituras estão repletas de passagens semelhantes: “O Senhor julga os povos; julga-me, Senhor, de acordo com a minha retidão e conforme a integridade que há em mim” (Sal 7:8. Ver também Sal 18:20; Sal 18:24; Sal 23:3; Sal 40:9; Sal 119:121; Isa 51:1; Isa 51:7; Sof 2:3; Mat 6:33; Mat 21:32; Luc 1:75). O apóstolo Pedro, que andou fisicamente com Jesus por cerca de três anos e aprendeu o evangelho diretamente dos seus lábios, também foi bem claro que Deus espera que os seus servos possuem, eles mesmos, uma retidão que seja aceitável ao Senhor: “Então Pedro, tomando a palavra, disse: Na verdade reconheço que Deus não faz acepção de pessoas; mas que lhe é aceitável aquele que, em qualquer nação, o teme e pratica a retidão” (Atos 10:34-35). De novo, notemos que Pedro não disse que Deus aceita aquele que possui ou depende da retidão de Jesus, mas sim aquele que pratica ele mesmo a retidão. Esta verdade se percebe de forma ainda mais clara quando a lemos no seu original: [Gr. εργαζόμενος δικαιοσύνην, δεκτός αυτώ έστιν (ergazomenos dikiosínin dektos afto estin) Lit. trabalhando a retidão aceitável a Ele está], sendo que o verbo usado pelo apóstolo e normalmente traduzido como “praticar” em português [εργαζομαι (ergazome)], possui também o significado de trabalhar, estar na ativa, levar adiante, executar ou realizar. Todos esses são termos que denotam um ato pessoal, no físico, e definitivamente não uma atitude passiva e dependente da atuação de uma outra pessoa.

Já recebe os nossos estudos teológicos gratuitos? Visite a Página de Inscrição.

O Espírito Santo Nos Habilita a Sermos Retos Perante Deus

Tanto o Deus Pai, como o nosso amado Jesus, esperam que nos beneficiemos do Espírito Santo que o Filho pediu que nos fosse enviado (João 14:16) e caminhemos em completa retidão enquanto estivermos morando neste vale de lágrimas que é a terra. Argumentar e ensinar aos sedentos de Deus que o Senhor não se interessa pela nossa própria retidão é um abuso imperdoável das verdades do evangelho de Cristo; uma mentira diabólica e sem o menor respaldo, nem nos profetas do Senhor, e mais importante, sem nenhuma base nas palavras do nosso querido Salvador, que é o único porta-voz enviado diretamente dos céus: “Eis que uma nuvem brilhante [Gr. φωτεινός (fotinós) adj. cheio de luz, brilhante] os cobriu [Gr. επισκιάζω (episkiázo) v. lançar sombra, obscurecer]; e dela saiu uma voz [Gr. φωνή (foní) s.f. voz, som] que dizia: Este é o meu Filho amado [Gr. υιός μου ο αγαπητός (yiós mu o agapitós) Lit. Filho meu, o amado], em quem me deleito [Gr. ευδοκέω (idokéo) v. estar satisfeito com, se deleitar em, ter prazer em]; escutem [Gr. ακούω (akúo) v. ouvir, prestar atenção, entender, considerar] o que ele diz!” (Mat 17:5. Ver também: João 12:48-50).

Deus Sabe Que Precisamos Destas Coisas: Um Testemunho

Queridos, no próximo estudo da série sobre o Sermão do Monte, encerraremos este bloco com Jesus nos lembrando que cada dia traz consigo o seu próprio mal (Mat 6:34). Por agora, quero apenas enfatizar o ponto mencionado no início deste estudo de que Deus está bem a par das nossas necessidades e de que se vivermos em obediência aos mandamentos de Jesus não temos o menor motivo para nos preocupar com o amanhã. Buscar o Reino de Deus e a retidão de Deus é o mesmo que buscar e amar a Jesus acima de tudo aquilo que existe neste mundo (João 12:44-45). Este não é um ensino complicado como muitos líderes dão a entender. Muito pelo contrário, satisfazer o requerimento de Deus para que ele cuide nós é algo que qualquer um pode fazer, bastando querer. Eu e minha esposa já por anos andamos em obediência aos mandamentos de Jesus, e de fato nunca nos falta nada. Quando começamos a nos preocupar com o amanhã o Espírito Santo imediatamente nos lembra do cuidado que temos recebido de Deus; da imensa bondade que o Senhor nos tem demonstrado; da dedicação de Deus, não nos deixando faltar em nada daquilo que precisamos e muitas vezes dos dando além daquilo que precisamos. De fato, se procurarmos em primeiro lugar o Reino de Deus e a retidão de Deus, todas estas coisas nos serão acrescentadas: “Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores; antes tem seu prazer na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e noite. Pois será como a árvore plantada junto às correntes de águas, a qual dá o seu fruto na estação própria, e cuja folha não cai; e tudo quanto fizer prosperará” (Sal 1:1-3). Espero te ver no céu.
 

Acesse o esboço completo do Sermão da Montanha