🔊 (Parte 19) Serie: O Sermão da Montanha. Estudo Nº 19: Os Mandamentos de Deus: O Ensino Contra a Lei. [Com Áudio]

Imagem de um barco à vela no mar com texto referente ao estudo: O Sermão da Montanha. Estudo Nº 18: Os Mandamentos de Deus: A Quebra da Lei.

Baixar Áudio Baixar Áudio | Baixar PDF Baixar PDF

Por Markus DaSilva, Th.D.

Se existe algo precioso para Deus, esse algo é a sua lei, pois, à parte de Jesus, a lei de Deus é o mais perfeito reflexo daquilo que Ele é. Rejeitar a Jesus ou rejeitar a lei de Deus é o mesmo que rejeitar ao próprio Deus. Não é à toa que o livro que mais faz referência à pessoa de Deus na Bíblia, o Salmos, também é o que mais possui expressões de amor para com a lei de Deus, pois Deus e a sua lei são inseparáveis: “Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores; antes tem seu prazer na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e noite” (Sal 1:1-2). Na sequência desta série sobre o Sermão da Montanha, lidaremos com algo que jamais deveria ocorrer, mas que infelizmente ocorre, que é o desprezo que os nossos líderes carnais têm demonstrado para com a santa lei de Deus nestes últimos dias. Jesus, alertou aos seus discípulos, passado e presente, para que jamais caíssem neste gravíssimo erro: “Qualquer, pois, que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e assim ensinar aos homens, será chamado o menor no reino dos céus” (Mat 5:19). Notemos que estas palavras de aviso de Jesus tiveram como alvo, não os indivíduos que violam a lei — o que em si mesmo é algo muito sério — mas sim aqueles que vão um passo além. Jesus se refere àqueles que, não satisfeitos em desobedecer eles mesmos aos mandamentos de Deus, decidem convencer aos outros que também desobedeçam. Ou seja, todos nós que nos encontramos em posição de ensinar as pessoas, de uma forma ou de outra, sobre o caminho da salvação: pastores, professores, escritores, evangelistas, compositores, cantores… etc.

“Assim como o homem precisa dos seus músculos para resistir a lei da gravidade que quer prendê-lo ao chão, ele também precisa dos mandamentos de Deus para resistir a lei do pecado que quer aprisioná-lo ao mundo.”

Logo de cara devo esclarecer que quando Jesus, falando para os seus discípulos no Sermão da Montanha, diz que este líder “será chamado o menor no reino dos céus”, Ele não está dizendo que aqueles que desobedecem aos mandamentos de Deus e ensinam aos outros que façam o mesmo, se salvarão e estarão no Reino dos Céus morando com o Pai, mas que terão as menores posições no Reino, como alguns teólogos ensinam. Não, de forma nenhuma, pois tal entendimento estaria em completo desacordo com o resto das escrituras (Isa 1:28; João 3:36; Rom 2:8; 1Pe 4:17). O que Jesus nos diz é que, quando o Reino dos Céus vier até a nós (Mat 6:10; 1Co 6:9; Apo 11:15), então tais pessoas serão consideradas entre os menores, ou os de menor valor aqui na terra [Gr. ἐλάχιστος (elaristos) menor, sem importância]. Neste caso, Jesus não se refere a estes desobedientes como salvos cidadãos do Reino, mas sim perdidos durante o estabelecimento do seu Reino. A expressão “no Reino de Deus”, neste caso, simplesmente significa: “no dia em que o Reino de Deus vier até a nós”: “Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então lhes direi claramente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a desobediência à lei” (Mat 7:22-23. Ver também Mt 13:20-21; 1Jo 2:19). Observem as três características deste grupo de pessoas que não entrarão no Reino: 1ª) São cristãos 2ª) Esperavam ser bem-vindos no Reino e 3ª) Não obedeciam à lei de Deus: “vós que praticais a desobediência à lei”. [Gr. οἱ ἐργαζόμενοι τὴν ἀνομίαν (oi ergazomenoi tēn anomían) Lit. os praticantes dos sem lei].

A verdade de que nesta passagem no Sermão da Montanha Jesus nos disse que os que desobedecem e ensinam os outros a desobedecerem à lei de Deus não entrarão no Reino pode ser facilmente confirmada pelo uso da partícula pospositiva no grego: [γάρ (gar)], que liga esse versículo ao próximo: “Pois [gar] eu vos digo que, se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, de modo nenhum entrareis no reino dos céus” (Mat 5:20). Tanto no grego, como no português, o uso das conjunções coordenativas explicativas (pois, porquanto, já que, visto que… etc), conectam duas orações em que a segunda oração expressa a explicação da ideia iniciada na primeira oração. Neste caso, o que Jesus está dizendo é que os escribas e fariseus, que não entrarão no Reino dos Céus, são aqueles que estavam desobedecendo aos mandamentos de Deus e ensinando aos outros a fazerem o mesmo (Mat 5:19).

Quando analisamos este terrível alerta de Jesus ficamos pasmados com o fato de que tantos homens e mulheres nos nossos dias se posicionam como líderes e seguem ensinando as pessoas a ignorarem a lei de Deus como se o que estão fazendo fosse algo insignificante. Eles aparentemente não veem, ou não se importam, que os seus ensinamentos são completamente contrários às palavras de Cristo: “Bem-aventurados os que ouvem a palavra de Deus e a obedecem” (Luc 11:28).

Neste estudo procuraremos explicar dois pontos importantes sobre os ensinos de oposição à lei de Deus que ouvimos em tantas das nossas igrejas nestes últimos dias. Veremos primeiramente o aparente motivo que ensinam as pessoas a ignorarem os mandamentos de Deus, sem demonstrar o menor temor das claras, garantidas e eternas consequências do que estão fazendo. Logo a seguir, falaremos sobre o motivo real que fazem o que fazem, e de onde vem esta inspiração e coragem para desafiar a Deus dos seus púlpidos mundanos.

Quando a maioria lê o parágrafo acima, é certo que imediatamente se sente aliviada porque não se vê fazendo parte de nenhuma congregação que ensina as pessoas a desobedecerem à lei de Deus. A realidade, no entanto, é que quando não estamos ensinando os nossos ouvintes a obedecerem à lei de Deus, estamos de fato ensinando que a desobedeçam. Isto ocorre porque na sua natureza carnal, ainda que não admita, todo o ser humano odeia a lei do Senhor, uma vez que ela tem por finalidade mostrar a ele os pecados que o tem separado de Deus: “Eis que a mão do Senhor não está encolhida, para que não possa salvar; nem surdo o seu ouvido, para que não possa ouvir; mas as vossas iniquidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados esconderam o seu rosto de vós, de modo que não vos ouça” (Isa 59:1-2).

Assim como o homem precisa dos seus músculos para resistir a lei da gravidade que quer prendê-lo ao chão, ele também precisa dos mandamentos de Deus para resistir a lei do pecado que quer aprisioná-lo ao mundo: “Assim diz o Senhor, o teu Redentor, o Santo de Israel: Eu sou o Senhor, o teu Deus, que te ensina o que é bom, e te guia pelo caminho em que deves andar. Ah! Se tivesses dado ouvidos aos meus mandamentos! Então seria a tua paz como um rio, e a tua retidão como as ondas do mar” (Isa 48:17-18). Paulo, nos confessou a sua natural tendência a agir contrário à lei de Deus quando nos escreveu: “Porque bem sabemos que a lei é espiritual; mas eu sou carnal, vendido como escravo do pecado. Pois o que faço, não o entendo; porque o que quero, isso não pratico; mas o que odeio, isso faço” (Rom 7:14-15). Ou seja, quando ficamos em silêncio em relação à lei de Deus, e não ensinamos os homens como devem viver em obediência para agradar ao Senhor e serem felizes, estamos então abandonando-os à escravidão do pecado e à infelicidade. Somos tão culpados como se estivéssemos ensinando-os a desobedecerem aos mandamentos de Deus. Não existe neutralidade na batalha entre as forças do bem e as forças do mal: “Quem não é comigo, é contra mim; e quem comigo não ajunta, espalha” (Luc 11:23).

O motivo aparente que os nossos líderes não ensinam a obediência aos mandamentos de Deus é porque argumentam que eram temporários e foram abolidos por Jesus. Afirmam este absurdo, apesar de incontáveis testemunhos nas Escrituras que nos diz exatamente o oposto: “Considera como amo os teus preceitos; vivifica-me, Senhor, segundo a tua bondade. Toda a tua palavra é verdadeira, e cada um dos teus justos mandamentos dura para sempre” (Sal 119:159-160). E apesar de o próprio Jesus ter nos ensinado da forma mais clara possível: “até que o céu e a terra passem, de modo nenhum passará da lei um só jota ou um só til, até que tudo seja cumprido” (Mat 5:18). [Acessar o estudo sobre este verso] Em nenhum lugar na Bíblia encontramos Jesus sequer dando a entender que a sua morte na cruz isentaria o pecador da obediência aos mandamentos de Deus. Qualquer um, que decidir não obedecer à Palavra de Deus atuará baseando-se em uma outra fonte além daquilo que ouvimos dos lábios de Jesus, e terá que lidar com as consequências da sua decisão: “Minha mãe e meus irmãos são aqueles que ouvem a palavra de Deus e a praticam” (Luc 8:21).

Falemos agora sobre a verdadeira razão que os nossos líderes ignoram a santa lei de Deus. Todos os argumentos supostamente bíblicos que usam não passam de fachadas, pois nenhum deles encontra respaldo nas palavras de Jesus. Os nossos pregadores, escritores, professores, compositores e cantores não querem ensinar a obediência ao Pai e ao Filho porque eles estão desesperadamente apaixonados por este mundo, e sabem que se pregassem aquilo que a Bíblia realmente nos ensina sobre a obediência que leva à santificação eles se viriam forçados a abandonar a vida que tanto amam: “Eles são do mundo, por isso falam como quem é do mundo, e o mundo os ouve” (1Jo 4:5). A liderança carnal resiste com toda a sua força perder a vida mundana que tanto ama: “Quem ama a sua vida, perdê-la-á; e quem neste mundo odeia a sua vida, guarda-la-á para a vida eterna” (João 12:25).

Queridos, é muito triste observarmos tantos indivíduos talentosos nas nossas igrejas que não estão usando os seus talentos como instrumento de salvação, mas sim de perdição. Inspirados por Satanás, o pai da mentira, eles estão enganando a si mesmos quando imaginam que Deus está feliz com eles simplesmente porque conseguem lotar as igrejas com as suas variadas atrações artísticas, mensagens engraçadas e sermões que massageiam o ego, enquanto ignoram a verdadeira mensagem do evangelho que é a completa obediência ao Senhor e a morte do eu: “Em seguida dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome cada dia a sua cruz, e siga-me” (Luc 9:23).

Eu sei que muitos dos nossos leitores possuem ou pensam em possuir posições de liderança nas nossas igrejas. Se você é um deles, eu imploro que não se deixe levar pelas tendências populares que estão tomando conta de praticamente todo o cristianismo nestes últimos dias. Ainda que lhe custe, não se una a estes falsos mestres pois já não temos muito tempo e muito em breve eles colherão tudo aquilo que plantaram. Eles não estão semeando a boa semente que leva ao Reino: “Chegaram, pois, os servos do proprietário, e disseram-lhe: Senhor, não semeaste no teu campo boa semente? Donde, pois, vem o joio? Respondeu-lhes: Algum inimigo é quem fez isso. E os servos lhe disseram: Queres, pois, que vamos arrancá-lo? Ele, porém, disse: Não; para que, ao colher o joio, não arranqueis com ele também o trigo. Deixai crescer ambos juntos até a ceifa; e, por ocasião da ceifa, direi aos ceifeiros: Ajuntai primeiro o joio, e atai-o em molhos para o queimar; o trigo, porém, recolhei-o no meu celeiro” (Mat 13:27-30). Espero te ver no céu.

Nesta Série de Estudos Bíblicos:
(Acesse o esboço completo)

(Os estudos sem links ainda estão sendo preparados)

(Acesse o esboço completo)