Homem de Dores (Parte 1)

HOMEM DE DORES Por Markus DaSilva, Th.D.

Por Markus DaSilva, Th.D.

Desde pequeno ele sabia o que lhe esperava. Ainda novo, crescia no conhecimento das escrituras e via claramente que todas as profecias falavam dele (Lc 2:46-51). Cada verso que lia sobre si mesmo apontava para uma vida repleta de falsas acusações, rejeições e traições. Aqueles que deveriam estar felizes com a sua vinda seriam os seus maiores inimigos (Jo 1:11). Ninguém via isso, ninguém entendia. Estava só no princípio e seguiu só até o fim (Mt 26:40). Jesus cresceu, e exatamente como esperava, foi rejeitado dos homens; foi um homem de dores, e experimentado nos sofrimentos; e, como um de quem os homens escondiam o rosto, foi desprezado, e não fizemos dele caso algum (Is 53:3).

Assim como vocês, já vi várias pinturas da crucificação, mas nenhuma delas retrata corretamente o verdadeiro rosto do nosso amado Jesus após o tratamento dado pelos torturadores, “pois o seu aspecto estava tão desfigurado que não era o de um homem” (Is 52:14).

Queridos, por que isso? Por que Jesus teve que passar por tanta humilhação e sofrimento? Milhares de livros foram escritos sobre esse tema, mas a resposta se resume em duas palavras: pecado e justiça. Essas são duas palavras que muitos entre o povo de Deus não estão dando a seriedade que deveriam dar.

Pecado é toda a oposição a Deus. Tudo aquilo contrário ao amor, à luz, à verdade e à vida; tudo isso é pecado. Justiça, por sua vez, é a eliminação do pecado. Note que pecado não se conserta, não se restaura, não se melhora, mas se elimina com a morte eterna do pecador (Ro 6:23; At 3:19). Se a vida eterna é estar continuamente na presença do Pai, a morte eterna é a Sua completa ausência, o Seu completo abandono. Jesus eliminou os nossos pecados com o preço correto – a morte: “Meu Deus! Meu Deus! Por que me abandonaste?” (Mt 27:46; Gl 3:13-15).

Amados, nenhum ser humano pode compreender a grandeza do que Jesus fez por nós. Nem é necessário que compreendamos para sermos beneficiados. Mas uma coisa temos que fazer; temos que ouvi-lo com muita atenção e obedecê-lo fielmente, se queremos fazer parte do pequeno grupo cujos pecados foram pagos por Ele (Jo 14:21; Mt 7:14). Lembre-se, alguém pagará com a morte eterna pelos nossos pecados. Ou Jesus, ou nós mesmos, mas a dívida com Deus será quitada. Ouça a Jesus, abandone esse mundo por completo, viva somente para Ele enquanto ainda é possível. Espero te ver no céu. —Markus DaSilva

—————-

NOTA: Não devemos confundir o pecador com o pecado.  O ponto principal deste texto é exaltar o sacrifício de Jesus pelo pecador. O pecador arrependido é perdoado e restaurado porque o seu pecado foi eliminado permanentemente (Hb 8:12). Mas esse pecado não foi simplesmente apagado dos livros; ele foi pago com um preço altíssimo: a morte do único filho de Deus (Ro 4:25).