🔊 (Parte 11) As 12 Táticas de Satanás Contra o Cristão – Satanás e a Ilusão da Felicidade na Terra [Com Áudio]

Estudo Bíblico - (Parte 11) As 12 Táticas de Satanás Contra o Cristão - Satanás e a Ilusão da Felicidade na Terra - Markus DaSilva

Baixar Áudio Baixar Áudio | Baixar PDF Baixar PDF

Por Markus DaSilva, Th.D.

Todos nós já vimos a conhecida ilustração de um burro cujo dono perverso amarrou uma vara na sua cela que se estende até um pouco além dos olhos do animal; na ponta da vara ele pendurou uma cenoura, para que assim o pobre burro, faminto, siga caminhando, olhando e desejando por algo que jamais alcançará. O animal pode olhar para a cenoura o tempo todo, pode sentir o seu cheiro, e provavelmente consegue imaginar o seu gosto na boca, de tão perto que se encontra, e é exatamente essa proximidade que o estimula a perseverar nessa caminhada inútil. Se realmente fazem isso com animais, não sei, mas o desenho ilustra muito bem a estratégia de Satanás contra o cristão que cobriremos neste estudo; explicaremos porque o inimigo deseja que estejamos constantemente procurando por algo impossível de se obter neste mundo atual: a verdadeira felicidade.

Estudo Nº 11 – Satanás e a Ilusão da Felicidade na Terra.

Devo mencionar que esta tática não é usada exclusivamente com o cristão, mas sim com toda a raça humana. Todos estão continuamente procurando por esta felicidade elusiva, sempre tão próxima, e ao mesmo tempo tão distante. O descrente até que possui uma certa ignorância, mas não o indivíduo que se diz um servo de Deus. O cristão deveria estar melhor informado quanto à impossibilidade de uma verdadeira felicidade em um mundo dominado pelas forças do mal; onde o pecado é uma constante afronta à justiça e perfeição do Criador: “Viu o Senhor que era grande a maldade do homem na terra, e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era má continuamente” (Gn 6:5).

“Jesus nos alertou que enquanto estivermos morando neste mundo de pecado o Pai não nos isolaria dos sofrimentos comuns a todos os homens.”

Desde que Adão e Eva se rebelaram contra Deus e foram expulsos do Éden, ficou claro para eles que a partir daquele momento, e até a serpente ter a sua cabeça permanentemente esmagada por Cristo, o ser humano viveria em suor e dor. Esta foi uma profecia que só mesmo um louco não vê o seu cumprimento todos os dias ao nosso redor. Por outro lado, o Senhor não entregou os seres humanos por completo a Satanás, pois se fosse este o caso já há muito tempo teríamos sido consumidos devido ao seu ódio a Deus. Uma boa prova dessa verdade foi quando o diabo pediu para tentar pela segunda vez a Jó. Deus permitiu a tentação, mas deixou claro que não permitiria a Satanás fazer aquilo que realmente queria: “poupa, porém, a sua vida” (Jó 2:6).

Falamos do nosso contínuo sofrimento, mas ao mesmo tempo, ao estudarmos as Sagradas Escrituras também observamos que Deus é muito bom para com todo o ser humano, incluindo aqueles que recusam a reconhecê-lo como o provedor de todo o bem que recebem a cada dia: “O Pai faz nascer o seu sol sobre maus e bons, e faz chover sobre justos e injustos” (Mt 5:45). Notamos, no entanto, que àqueles que procuram nele a proteção e vivem em fiel obediência às suas palavras, um cuidado especial é prometido: “Porquanto fizeste do Senhor o teu refúgio, e do Altíssimo a tua habitação, nenhum mal te sucederá, nem praga alguma chegará à tua tenda” (Sl 91:9-10).

Concluímos então que até que tudo se cumpra e sejamos restaurados à perfeita imagem e semelhança do Criador, nós, os escolhidos do Senhor, conviveremos com estas duas realidades: os sofrimentos resultantes da nossa rebeldia e as constantes misericórdias provenientes do Senhor. Isso foi o que Davi nos explicou: “Muitas são as aflições do justo, mas de todas elas o Senhor o livra” (Sl 34:19). Esta é a verdade que Satanás não quer que o cristão entenda. E por que não? Porque sendo ignorante dessa realidade o homem cria uma expectativa ilusória da sua vida aqui na terra. Grande parte da popularidade das mega igrejas ocorre porque nas suas mensagens o sofrimento que decorre em consequência do pecado é um tema raramente levantado. Não é à toa que o homem carnal se sente bem em tal ambiente: “ajuntarão para si mestres segundo os seus próprios desejos” (2Tm 4:3).

Um outro motivo que Satanás deseja colocar em nós esta procura ininterrupta pela felicidade aqui na terra é porque assim diminuímos, ou eliminamos por completo, o nosso desejo do céu. Notemos, no entanto, que praticamente todas as promessas de Jesus se referem não ao nosso tempo aqui neste mundo, mas sim na eternidade que somente ocorrerá quando “as primeiras coisas passarem” (Ap 21:4). Em outras palavras, o foco do servo de Jesus não deve ser de forma alguma a felicidade temporária que experimentamos nos poucos anos que aqui vivemos, mas sim na eternidade que passaremos com Ele quando muito em breve deixarmos este planeta. Isso foi o que o Senhor nos disse com as palavras: “No mundo tereis aflições” e “Eu vou para vos preparar um lugar” (Jo 14:2). Ou seja, Jesus nos alertou que enquanto estivermos morando neste mundo de pecado o Pai não nos isolaria dos sofrimentos comuns a todos os homens. Mas Jesus também nos disse que não nos deixaria a sós, e que providenciaria uma solução permanente assim que voltasse para a sua casa, de onde veio: “para que onde eu estiver estejais vós também” (Jo 14:3).

Queridos, terminando, deixe-me esclarecer que como servos de Deus somos os seres mais felizes do mundo, pois não só temos um Pai que está continuamente nos mantendo em pé, nos resgatando das constantes ciladas do inimigo, mas também somos felizes porque sabemos o que nos aguarda quando deixarmos este lugar. Eu sei que essa mensagem é bem diferente do que se tem ouvido de muitos ministérios nestes últimos dias, mas o que foi aqui escrito é baseado na verdade, e somente a verdade liberta. Quero lembrar, porém, que Jesus também nos disse que devemos nos animar, porque Ele já venceu o mundo (Jo 16:33). Com isso, Cristo quis dizer que o nosso futuro já está confirmado, garantido, selado. Nada, nem mesmo a união de todas as forças do mal, nem mesmo a morte, poderá nos separar do amor do Pai, em Cristo Jesus: “Quem crer em mim, ainda que morra viverá” (Jo 11:25). Espero te ver no céu.

Nesta Série de Estudos Bíblicos: