🔊 (Parte 8) As 12 Táticas de Satanás Contra o Cristão – Satanás e a Falta de Tempo Para Deus [Com Áudio]

Estudo Bíblico - (Parte 8) As 12 Táticas de Satanás Contra o Cristão - Satanás e a Falta de Tempo Para Deus. - Markus DaSilva

Baixar Áudio Baixar Áudio | Baixar PDF Baixar PDF

Por Markus DaSilva, Th.D.

Um profeta não muito conhecido no cristianismo é o profeta Ageu. O livro que leva o seu nome consiste de apenas dois capítulos, e o primeiro é todo dedicado ao fato de que o povo que voltava do cativeiro babilônico estava muito ocupado cuidando das suas próprias casas enquanto o templo do Senhor jazia em ruínas. Não que tinham rejeitado a Deus e que por isso não precisavam mais de um templo, não, o motivo era simplesmente porque esperavam por um melhor momento, uma hora que fosse mais conveniente. Queriam sim dar atenção para Deus, mas lhes faltavam o tempo: “Assim fala o Senhor dos exércitos, dizendo: Este povo diz: Não veio ainda o tempo, o tempo de se edificar a casa do Senhor. …acaso é tempo de habitardes nas vossas casas forradas, enquanto esta casa fica desolada?” (Ag 1:2,4).

Estudo Bíblico Nº 8 –  Satanás e a Falta de Tempo Para Deus.

Uma tática muito comum que Satanás usa contra o cristão é levá-lo a crer que o seu tempo pertence a ele e não a Deus. Aqui também, o inimigo usa a autopiedade, já explicada em detalhes no estudo anterior. Geralmente o inimigo faz com que o cristão, devido às dificuldades da vida, se ache merecedor de dedicar certa parte do seu tempo em atividades que satisfaçam os seus prazeres, como uma espécie de indenização: “se tenho que passar por tudo isso, também posso ter um pouco de prazer na vida”, pensa ele.

“Deus não nos pede permissão, nem tampouco nos alerta quando está para fazer qualquer ajuste no tempo que nos resta.”

Como um exemplo do que quero dizer, deixe-me relatar algo que uma irmã comentou depois de ler um dos nossos estudos sobre a santificação e o morrer para as coisas do mundo (1Jo 2:15).  A síntese do comentário dela é que depois de um dia de trabalho, ao chegar em casa cansada, ela precisava e teria o direito de assistir as coisas que ela gosta na televisão e que não seria justo ter que dedicar também aquelas horas a Deus. Obviamente este argumento pressupõe que certas horas pertencem a Deus, como os dias de igreja ou durantes os devocionais, e o restante pertence a ela. A implicação é que Deus tem todo o direito de exigir a atenção dela durante os momentos de religião, mas também deve respeitar as horas que pertencem a ela.

Eu sei que o raciocínio acima pode parecer até cômico, mas a realidade é que infelizmente a grande maioria dos cristãos nestes últimos dias vivem exatamente assim. Eles caíram na cilada do diabo e foram levados a crer que existe uma parte da sua vida que pertence a eles e uma outra que pertence a Deus. Dentro desse estranho raciocínio, eles entendem que a pessoa pode dedicar muito tempo para Deus ou pouco, mas é importante que dedique algo. O errado, pensam eles, é a pessoa usar todo o tempo para si mesmo. Também é pensando assim que barganham com o Senhor quando precisam de alguma bênção. Entendem que uma forma de convencer a Deus que venha auxiliá-los é ajustando o seu tempo um pouco mais para o lado do Senhor, como participando de uma corrente de oração, uma vigília, um mutirão, ou se oferecerendo como voluntários na igreja. Dessa forma imaginam que Deus se achará um pouco mais disposto a ajudá-los, já que recebeu um tipo de compensação adiantada em forma de tempo.

Queridos, deixe-me escrever aqui algo óbvio (mas quando se trata de coisas espirituais frequentemente até o óbvio alguns não veem). Gostando ou não, aceitem esta verdade: Deus é o único dono do tempo, todo ele. E não só do tempo, mas de tudo o que existe no universo (1Cr 29:11; Sl 50:12). A grande prova disso é que pertence ao Criador, e não a nós, determinar se estaremos vivos amanhã ou não (Sl 139:16; Sl 144:4). Essa verdade nos foi claramente ensinada por Jesus na parábola do lavrador que queria armazenar a sua safra para a aposentadoria: “Mas Deus lhe disse: Seu tolo, esta noite te pedirão a tua alma” (Lc 12:20). Esse homem estava acostumado com a sua rotina. Dia após dia, entra ano, sai ano, lhe parecia que tinha o controle da sua vida, pois era ele quem decidia a sua agenda. Ele podia determinar como usaria cada hora do tempo que aparentava ser seu. Foi baseado nesse entendimento que quando viu que a safra do ano foi excepcionalmente boa, decidiu construir celeiros maiores para assim garantir um futuro tranquilo. Só que o futuro que lhe parecia tão certo, não ocorreria: “esta noite te pedirão a tua alma”.

Antes que alguém me acuse, que fique claro que este estudo bíblico não é para condenar poupanças, ou investimentos, ou aposentadorias, nada disso, mas é sim para nos acordar quanto à ilusão do tempo. O motivo que a estratégia da falta de tempo para Deus funciona com tanto sucesso é porque Satanás consegue criar na nossa mente a falsa ideia de que o tempo que vivemos nos pertence, quando na realidade não somos donos de sequer um segundo da nossa vida. Deus nos dá o tempo de vida que bem quer. Ele estende o tempo, o encurta, e o interrompe a qualquer dia, a qualquer hora que desejar; não nos pede permissão, nem tampouco nos alerta quando está para fazer qualquer ajuste no tempo que nos resta.

Amados, concluindo este estudo, quero lembrá-los que os verdadeiros filhos de Deus são um com o Pai em Cristo Jesus (1Co 6:17), não considerando qualquer coisa como que pertencendo a si mesmos, incluindo o tempo e até a própria vida. Esse é o significado do maior dos mandamentos: “Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento e de todas as tuas forças” (Mc 12:30). O povo que não tinha tempo para Deus nos dias de Ageu não ouviu apenas uma reclamação por parte de Deus, mas também ouviu uma explicação do porquê não eram abençoados: “E fiz vir a seca sobre a terra, e sobre os montes, e sobre o trigo, e sobre o vinho, e sobre o azeite, e sobre o que a terra produz, como também sobre os homens, e sobre os animais, e sobre todo o trabalho que provém das vossas mãos” (Ag 1:11). Em outras palavras, havia uma alienação entre o povo e Deus, e esta desconexão, uma espécie de divórcio, era a causa do Senhor não poder abençoá-los como sempre o faz àqueles que são um com Ele (Sl 23:6).

Minha oração é que vocês não caiam nesta armadilha do inimigo e passem a viver baseado na verdade que as 24 horas que recebemos, pela graça, todos os dias pertencem ao Senhor. Nenhum favor, nenhuma gentileza, nenhum pagamento está sendo feito a Deus durante o tempo dedicado a Ele, estamos apenas devolvendo o tempo ao seu verdadeiro dono. Espero te ver no céu.

Nesta Série de Estudos Bíblicos: