🔊 (Parte 5) Não Ameis o Mundo – As Coisas que Há no Mundo [Com Áudio]

Estudo Bíblico - (Parte 5) Não Ameis o Mundo - As Coisas que Há no Mundo - Markus DaSilva

Baixar Áudio Baixar Áudio | Baixar PDF Baixar PDF

Por Markus DaSilva, Th.D.

Encerrando esta série, exploraremos mais detalhadamente as coisas que há no mundo que o Apóstolo João nos informa que não podemos amar, pois, se amarmos estas coisas não teremos o amor do Pai em nós: “Não ameis [Grego: ἀγαπάω (agapaó) eu amo, eu desejo, eu procuro] o mundo, nem as coisas que há no mundo, pois quem ama o mundo o amor do Pai não está nele” (1Jo 2:15). Ou seja, João está nos avisando que não é possível habitar em nós estes dois amores, ou desejos: as coisas que há no mundo e Deus. Simplificando ainda mais, o alerta é que aqueles que insistem em possuir em si qualquer paixão pelas coisas do mundo não herdarão a vida eterna.

Estudo Bíblico Nº 5 — As Coisas que Há no Mundo.

Os homens e as mulheres carnais que ocupam posições de liderança em tantas das nossas igrejas nestes últimos dias não gostam dessas palavras de João, mas não tendo como retirá-las das Sagradas Escrituras, as ignoram ou as racionalizam, de tal forma que seguem adiante vivendo e ensinando através dos seus exemplos que o ser humano pode sim amar ao mundo e no final ser salvo: “Eles são do mundo, por isso falam como quem é do mundo, e o mundo os ouve” (1Jo 4:5).

“Quero viver a minha vida na morada que Jesus foi preparar para mim, e não só para mim, mas para todos aqueles que odeiam (miseó) este mundo.”

O amor às coisas do mundo a que o apóstolo se refere é o mesmo que ele ouviu da própria boca de Jesus alguns anos antes de nos escrever. Este não é um novo ensino, mas sim uma reciclagem das palavras do nosso Mestre que nunca deixou nenhuma dúvida de que só existe espaço para o amor a Deus no coração dos seus verdadeiros filhos: “Quem ama o pai ou a mãe mais do que a mim não é digno de mim; e quem ama o filho ou a filha mais do que a mim não é digno de mim” (Mt 10:37); e também: “Quem ama a sua vida [Grego: ψυχή (psuché) a alma, a individualidade de cada ser humano], perdê-la-á; e quem neste mundo odeia [Grego: μισέω (miseó) odiar, menosprezar, colocar pouco valor)]  a sua vida, guardá-la-á para a vida eterna [Grego: ζωή (zóé) a vida por completo, alma e corpo]” (Jo 12:25); e em outro lugar: “Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento e de todas as tuas forças” (Mc 12:30).

A pessoa que de fato, e não somente de boca para fora, deseja ir morar com Jesus quando a sua vida nesta terra terminar terá que tomar uma decisão quanto às coisas que ocupam o seu coração. Note, porém, que Jesus e o próprio Pai nos disse que precisamos amá-lo de todo o coração e não em parte, e nem mesmo quase todo, mas todo. Ou seja, se além de Deus ainda existe espaço na vida para qualquer outro interesse; se as coisas que há no mundo ainda têm acesso ao coração através daquilo que a pessoa lê, assiste, ouve ou participa, então ela está enganando a si mesmo e o amor do Pai não está nela, bem simples.

Para que não fique a menor dúvida sobre o que a Palavra de Deus está se referindo, coloquei logo acima as palavras de Jesus quanto ao odiar a nossa vida aqui neste mundo se queremos mantê-la para a terra futura. Esta palavra odiar [Grego: μισέω (miseó)], neste contexto, possui um caráter comparativo e preferencial, ou seja, tratamos com desprezo algo porque realmente queremos uma outra coisa.  Imaginem, por exemplo, uma pessoa com fome participando de um jantar e ser servido inicialmente de um prato que ela detesta, mas que ela sabe que o seu prato favorito será o próximo a ser servido. Essa pessoa não tocará na comida que odeia (miseó) porque prefere esperar e satisfazer a fome com aquilo que ama [Grego: ἀγαπάω (agapaó) eu amo, eu desejo, eu procuro].

Essas palavras de Cristo são claras e significam que: ou vivemos para nós mesmos (amamos a nossa vida neste mundo) ou vivemos para Jesus (odiamos a nossa vida neste mundo). Note que este ato de odiar a nossa vida é um ato voluntário, não temos que fazê-lo, mas se não o fizermos não encontraremos a nossa vida quando tudo isto aqui passar. Eis um exemplo e um testemunho sobre isso: eu e a minha esposa não assistimos televisão nem ouvimos rádio, incluindo noticiários, por muitos anos, como a maioria de vocês já sabem. Por causa disso, só há alguns dias atrás percebi que está para ocorrer um grande evento esportivo que cativa uma boa parte da população mundial. Nem sabia onde estas competições ocorreriam, até ontem, quando fui a uma drogaria aqui perto e notei que colocaram à venda alguns produtos relacionados com o tal evento, de tal forma que não tinha como não saber. Por amor a Cristo não acompanharei em nada este evento, da mesma forma que não o fiz quando competições semelhantes ocorreram nos últimos anos.

Note que eu, ou seja, a minha carne,  gostaria muito de acompanhar não só este evento esportivo, mas muitos outros que são transmitidos na mídia o tempo todo. Gostaria também de ler “um bom livro”,  assistir a “um bom filme”, acompanhar “uma boa série”, como de fato o fazia no passado, e não teria nenhuma dificuldade em criar na minha mente uma justificativa e racionalizar a Palavra de Deus, como tantos o fazem, para que assim pudesse continuar dizendo que amo a Jesus e ao mesmo tempo usufruir das “boas coisas” que há no mundo. Ou seja, eu poderia tranquilamente chegar à conclusão de que tudo isso “não tem nada a ver”. Mas eu sei muito bem que se eu desfrutasse desses prazeres, eu acharia a minha vida na terra, mas a perderia no céu, onde eu quero vivê-la eternamente. Quero viver a minha vida na morada que Jesus foi preparar para mim, e não só para mim, mas para todos aqueles que odeiam (miseó) este mundo: “Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não assim fosse, eu vos teria dito. Eu vou para vos preparar um lugar” (Jo 14:2).

Queridos, eu sei que estas são palavras fortes e duras de ouvir. Sei também que muitos preferem escutar as mensagens dos líderes carnais (2Tm 4:3), e estes líderes por sua vez também preferem aprender dos seus mestres carnais, e assim seguem, cegos guiando cegos (Mt 15:14) neste ciclo diabólico onde o alimento sólido da Palavra que salva é diluído, ignorado ou substituído por meras emoções humanas e ensinos corrompidos por corações que nunca se converteram; corações que nunca abandonaram o mundo e os prazeres que nele há (Mc 7:21-22). Imploro que vocês não se apeguem aos ensinos de nenhum ser humano carnal, mas sim a tudo aquilo que o Senhor nos disse através das Escrituras. Ninguém subirá com Jesus possuindo um coração dividido (Os 10:2; Tg 1:8; Ap 3:15-16). Aqueles que realmente foram comprados pelo Senhor com o alto preço que foi o sangue do seu Filho, foram adquiridos por inteiro. Ou pertencemos a Ele por completo ou pertencemos ao mundo. Estamos quase lá. Espero te ver no céu.

Nesta Série de Estudos Bíblicos: