12 Verdades Que Precisamos Saber Sobre A Oração (Parte 4)

12 VERDADES QUE PRECISAMOS SABER SOBRE A ORAÇÃO (PARTE 4) - Markus DaSilva

Por Markus DaSilva, Th.D.

Desde o início desta série tenho enfatizado que Deus sempre responde as orações dos seus filhos. Isso, certamente, não quer dizer que os seus filhos sempre aceitam as respostas recebidas. Na realidade, muito dos nossos sofrimentos ocorrem exatamente pelo fato de que nos aproximamos do trono do Senhor com a nossa cabeça já feita quanto à como o nosso pedido deverá ser atendido. Frequentemente possuímos na nossa mente um plano de ação já traçado e procuramos o Senhor não para que ele nos diga o que devemos fazer, mas simplesmente para que Ele leia, concorde, e assine embaixo. Na construção dos nossos sonhos, não procuramos tanto por um arquiteto, mas sim por um bom mestre de obras.

VERDADE NÚMERO 4 — Quando ignoramos a resposta.

É muito fácil ouvir e aceitar as respostas das nossas orações quando elas se encaixam naquilo que gostaríamos de fazer. Quando escutamos um “sim”, rapidamente dizemos que a resposta veio do Senhor e que com prazer seguiremos as suas instruções. Temos, porém, muita dificuldade em obedecer ao Senhor quando a resposta é um “não”.

“É uma afronta pedirmos ao Senhor por algo quando no fundo não temos a intenção de aceitar a sua resposta, a menos que seja aquilo que queremos ouvir.”

Quando Balaque, o rei de Moabe, desejou algo, ele mandou que os seus príncipes fossem pedir a ajuda de Balaão, o profeta de Deus. Três vezes perguntaram e três vezes receberam um não de Deus. O Senhor respondeu que não faria o que o rei desejava, que era colocar uma maldição sobre os israelitas. Apesar da resposta negativa do Senhor, Balaque persistia em querer destruir o povo de Israel (Nm 22-24). No final, Balaque ignorou a resposta de Deus e com a ajuda de Balaão, conseguiu prejudicar os judeus (Ap 2:14).

Assim como Balaque, o nosso irmão Paulo também, três vezes pediu algo a Deus e três vezes recebeu um não. Paulo, porém, aceitou a resposta do Senhor, ainda que não foi de forma alguma aquilo que ele queria: “de boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo” (2Co 12:9).

Queridos, é uma afronta pedirmos ao Senhor por algo quando no fundo não temos a intenção de aceitar a sua resposta, a menos que seja aquilo que queremos ouvir. É importante entendermos que o Senhor não modificará os seus desígnios simplesmente porque escolhemos um caminho diferente daquele que nos foi revelado: “Muitos propósitos há no coração do homem, mas o plano do Senhor permanecerá” (Pv 19:21). Isso significa que colhemos aquilo que plantamos, pois de Deus não se zomba (Gl 6:7).

Permitam-me ser claro sobre este ponto: se um cristão ora, ouve, mas insiste em entrar por uma porta que Deus fechou, ele não deve esperar que o Senhor irá abençoá-lo na sua caminhada. Essa verdade se aplica a muitas coisas, como estudos, trabalhos, namoros, casamentos, mudanças… etc. Se, por outro lado, ele reconhece a soberania de Deus, e humildemente se submete à vontade do Senhor ao não entrar por essa porta, apesar de ser a porta que ele gostaria de entrar, Deus reconhecerá a sua fidelidade e o recompensará na sua caminhada.

Irmãos, quanto sofrimento poderia ser evitado se tão somente déssemos ouvidos aos “nãos” do Senhor; se assim como Paulo, aceitássemos de Deus as suas respostas, mesmo que não gostemos. Sim, sempre podemos nos apegar às misericórdias do Senhor, mas quando ignoramos as suas respostas devemos estar preparados para trilhar o caminho da dor que normalmente acompanha o homem rebelde. O Senhor é muito bom, e sempre veremos que mesmo quando a princípio não gostamos de uma certa resposta, o resultado final foi realmente o melhor pra nós: “Andai em todo o caminho que eu vos mandar, para que vos vá bem” (Jr 7:23) . Espero te ver no céu.

  1.  Deus já está respondendo.
  2.  Existe um processo em andamento.
  3.  Esperar não é o mesmo que “não fazer nada”.
  4.  Quando ignoramos a resposta. (Este Texto)
  5.  Um coração agradecido.
  6.  Um coração humilde.
  7.  Fé vem pelo ouvir.
  8.  As ferramentas.
  9.  Orando contra principados e potestades.
  10.  O poder da persistência.
  11.  A intimidade.
  12.  O grande plano.